Baleia-jubarte com mais de 10 metros é achada morta em praia de SP

Baleia-jubarte com mais de 10 metros é achada morta em praia de SP
Baleia-jubarte foi encontrada morta em Mongaguá, SP — Foto: Frégs Fregolon/Arquivo Pessoal

Uma baleia-jubarte adulta, com mais de 10 metros, foi encontrada morta em uma praia de Mongaguá, no litoral paulista, na tarde desta quarta-feira (16). Moradores da região que passavam pelo local registraram imagens do animal, já em estado de decomposição.

A baleia foi encontrada na altura do bairro Jardim Praia Grande, por volta das 14h, segundo informado ao G1 pela Prefeitura de Mongaguá. Segundo a administração municipal, o animal deveria medir mais de 10 metros e pesar mais de 2,5 toneladas.

Animal foi visto na praia na tarde desta quarta-feira (16) — Foto: Frégs Fregolon/Arquivo Pessoal

O surfista José Luís Fregolon registrou o momento em que o animal apareceu em frente à sua casa. “Parecia estar morta há dois ou três dias, cheguei no momento em que os biólogos chegaram e estavam olhando o animal”, relata. O morador fez fotos e vídeos e compartilhou por meio de suas redes sociais.

Ainda de acordo com a prefeitura, o Instituto Biopesca foi acionado para tomar as medidas necessárias em relação ao animal.

Baleia foi encontrada morta em praia de Mongaguá, SP — Foto: Frégs Fergolon/Arquivo Pessoal

Baleia-jubarte
 
Em entrevista ao G1, o biólogo marinho Eric Comin disse que é comum que essa espécie apareça na região nesta época do ano, porque faz parte da rota de migração. “Elas saem de regiões geladas e procuram águas mais quentes. Sobem para se reproduzir, para terem seus filhotes nessas águas”, explica. O especialista ressalta que a temperatura alta e a movimentação influenciam no nascimento.

Ainda de acordo com Comin, passou a ser comum encontrar baleias jubarte, porque a espécie registrou grande crescimento na população. Ele explica que o grande número de animais que aparecem, assim como o número de baleias mortas, se deve a este aumento. “Pela população de jubartes ter grande crescimento, conseguimos visualizar quando ocorrem mortalidades. Antes, visualizávamos menos isso”, completa.

Biólogos e especialistas foram até o local. — Foto: Reprodução/Praia Grande Mil Grau

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.