Baleia-jubarte de oito metros é achada morta em praia no litoral de SP

Baleia-jubarte de oito metros é achada morta em praia no litoral de SP

Uma baleia da espécie jubarte foi encontrada morta em uma praia de Itanhaém, no litoral de São Paulo. O animal foi visto por banhistas em avançado estado de decomposição e equipes do Instituto Biopesca foram acionadas. Ainda não há informações sobre a causa da morte.

Segundo apurado pelo G1 nesta terça-feira (15), a baleia foi encontrada por banhistas na praia do bairro Cibratel. De acordo com o Instituto Biopesca, que fez a análise da baleia-jubarte, o animal tinha pouco mais de oito metros e já estava em estado de decomposição. Ainda assim, foi possível identificar marcas de rede de pesca.

A necropsia foi realizada para colher amostras biológicas para tentar identificar a causa da morte da baleia. “É comum avistar a espécie em território brasileiro nessa época do ano, uma vez que, elas saem das águas frias da Antártida e chegam, em julho, às águas calmas e quentes de Abrolhos (BA) para se reproduzir”, explica a veterinária do Instituto Biopesca, Vanessa Ribeiro.

Biólogos do Instituto Biopesca fazem análise de baleia encontrada em Itanhaém (SP) — Foto: Ítalo Bini/Instituto Biopesca

Temporada de baleias

Uma estudo do Projeto Baleia Jubarte, que acompanha há 30 anos o período reprodutivo dos animais, estima que cerca de 20 mil baleias jubarte parram pelo litoral na temporada de reprodução.

Segundo o projeto, a temporada ocorre entre os meses de julho e novembro. Elas saem da região da Antártida, que passa por um inverno rigoroso, e se aproximam do litoral brasileiro por causa das águas quentes.

Instituto Biopesca

O Instituto Biopesca é uma das instituições executoras do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. O Instituto Biopesca monitora o Trecho 8, compreendido entre Peruíbe e Praia Grande. Para acionar o serviço de resgate de golfinhos, tartarugas e aves marinhas, vivos debilitados ou mortos, entre em contato pelos telefones 0800 642 3341 (horário comercial) ou (13) 99601-2570 (WhatsApp e chamada a cobrar).

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.