Baleia jubarte encontrada morta é enterrada em praia do litoral do PR

Baleia jubarte encontrada morta é enterrada em praia do litoral do PR

Animal foi enterrado no balneário Guacyara, em Matinhos, no sábado (18). Moradores estimam que animal tinha entre 6 e 8 metros de comprimento.

PR matinhos jubarte1

Uma baleia jubarte foi enterrada na praia do balneário Guacyara, em Matinhos, no litoral do Paraná. O animal encalhou já morto na praia na noite de sexta-feira (17) e chamou a atenção de moradores e turistas. A carcaça da baleia ficou exposta até o fim da tarde de sábado (18), quando uma retroescavadeira foi utilizada para manejar o enterro do animal.

De acordo com Ronaldo Matozo, que possui uma casa no balneário, os moradores acionaram as autoridades para que fosse feita a remoção do animal ainda na sexta, mas não obtiveram sucesso. “Era um fedor que se sentia a um quilômetro de distância”, relata Matozo que estima de seis a oito metros o comprimento da jubarte.

Ainda conforme Matozo, como o animal foi enterrado no fim da areia, há o receio de que, com a maré enchendo, a baleia possa ser desenterrada. “Alguns pedaços de tripas já chegaram a aparecer, mais umas duas marés que baterem vai voltar o corpo e o cheiro novamente”, prevê.

O G1 tentou contato com a Prefeitura de Matinhos, e com o Centro de Estudos do Mar, mas não obteve retorno.

Livre de ameaça

No fim de 2014, as baleias jubarte saíram da lista de animais ameaçados de extinção no Brasil. Elas chegam a pesar 40 toneladas, e a medir 16 metros. Normalmente, as baleias ficam em pequenos grupos de dois ou três indivíduos.

As baleias jubarte costumam de reproduzir no litoral da Bahia, especialmente no Arquipélago de Abrolhos. Durante o verão, no entanto, elas se deslocam para a região das lhas Sandwch e Geórgia do Sul, onde se alimentam até acumular uma grossa camada de gordura, que protege do frio e dá forças para enfrentar a viagem de mais de quatro mil quilômetros até o Brasil.

PR matinhos jubarte2

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.