Baleia morta com 18,5 metros deu à costa a norte da praia de Mira, Portugal

Baleia morta com 18,5 metros deu à costa a norte da praia de Mira, Portugal

Uma baleia morta, com 18 metros e meio, deu esta terça-feira à costa em frente à localidade de Barra de Mira, já próximo da praia do Areão, disse ao Observador a coordenadora do Centro de Reabilitação de Animais Marinhos (CRAM), Marisa Ferreira.

A coordenadora do CRAM avançou ainda que estão no local dois elementos do Centro para articularem a avaliação da situação com a Proteção Civil. O animal tem “18,5 metros, é um macho e está em elevado estado de decomposição”, sendo por isso necessária a utilização de maquinaria pesada para a sua remoção. A espécie da baleia também já é conhecida: trata-se de uma baleia-comum (Balaenoptera physalus).

A baleia encontrada morta esta manhã na Praia do Areão. (Fotos: Elia Costa/ SPVS)

Marisa Ferreira admite ainda que, dada a dimensão do animal e as dificuldades de acesso à praia, a situação pode não ficar resolvida esta terça-feira.

Da parte da manhã, a CRAM esteve no local para identificação da espécie e para que fosse possível traçar um plano de remoção do animal. Foram ainda recolhidas biometrias para registo e tecidos da pele e músculo do animal para posterior categorização genética. Pelas estimativas feitas pelo CRAM, a partir da pesagem de outros animais, é provável que a baleia tenha “entre 18 a 20 toneladas”. Dado que o animal se encontra em elevado estado de decomposição, esta última etapa enfrentou algumas dificuldades, contou Elia Costa, uma das investigadoras que está no local.

O alerta de que poderia chegar uma baleia à praia do Areão foi dado por populares na segunda-feira à tarde à Polícia Marítima. A situação veio a confirmar-se esta manhã.

O capitão do Porto de Aveiro, comandante Carlos Isabel, confirmou ao Observador que no local estão duas investigadoras da CRAM para análise da situação, três homens da Polícia Marítima e responsáveis da Proteção Civil. O comandante conta ter já ao final da tarde “uma retro-escavadora” para remoção do animal, mas o processo só deverá estar concluído na quarta-feira de manhã. Caso a movimentação do animal não consiga ser feita com o recurso a apenas uma retro-escavadora, as autoridades não descartam a possibilidade de adquirir uma segunda.  Sabe-se ainda que “a parte da espessura da baleia é a altura de um homem”, explica a mesma fonte.

Quando todo o processo de remoção for concluído, o animal será incinerado, de modo a não trazer riscos para a saúde pública. Esta não é a primeira vez que uma baleia dá à costa neste local. A 30 de agosto deste ano, uma baleia com 7,80 metros de comprimento e três toneladas foi encontrada morta no areal.

Fonte: Observador / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.