Banco de Ração distribui uma tonelada para ONGs que cuidam de animais em Cascavel, PR

Banco de Ração distribui uma tonelada para ONGs que cuidam de animais em Cascavel, PR

Representantes de ONGs e protetores independentes, cadastrados na Secretaria de Meio Ambiente, no setor de Bem-Estar Animal, receberam hoje (23) os primeiros repasses de ração para cães e gatos por meio do programa Banco de Ração. O Banco de Ração foi criado pela Lei 7.124/2020, aprovada pela Câmara de Vereadores e  sancionada pelo prefeito Paranhos.

Uma tonelada de ração foi distribuída para as entidades que cuidam dos animais como cães e gatos.

“Nós temos uma lei municipal aprovada na Câmara que cria o Banco de Ração que será fomentado por doações,  parcerias e recursos públicos.  O Banco de Ração vai suprir a dificuldade em conseguir alimentos para  as ONGs e cuidadores que adotam animais e não têm condições de comprar  a ração. Este banco de ração vai ajudar a suprir esta dificuldade. Esta é uma política pública nova que precisa ser aperfeiçoada, organizada, planejada e estruturada e é isso que a Secretaria de Meio Ambiente está fazendo. Esta ração recebida será distribuída para ONGs e  protetoras cadastradas. Vamos aprimorar o trabalho para cumprir a legislação e garantir o bem estar animal”, disse o secretário de Meio Ambiente, Nei Haveroth.

O vereador Serginho Ribeiro, autor da lei,  destacou a importância da união entre poderes Legislativo e Executivo em prol da causa animal. “ Mais uma luta do Executivo. Uma sensibilidade do prefeito Paranhos em torno da causa animal. Não tínhamos nada nesta área e agora já contamos com Samucão, o Castramóvel, a Patrulha Ambiental, de combate aos maus tratos e  o Banco de ração. Uma conquista que, vale salientar, ajudará muitas ONGs e protetores que já pagam esta conta de cuidado com os animais”, afirma.

O Banco de Ração já está funcionando e a gestão ficará a cargo da Secretaria de Meio Ambiente que terá a missão de armazenar, receber, destinar e controlar  a saída destes alimentos que serão destinados às ONGs e protetores cadastrados. “Nós iremos até estes protetores independentes conhecer sua realidade, verificar a quantidade de animais abrigados e orientar sobre a necessidade de castração. E este será um requisito para que estes cuidadores independentes  serem beneficiados pelo banco de ração”, explicou a veterinária Ana Maria Formiga, da Secretaria de Meio Ambiente.

O  médico veterinário Rodrigo Neca Ribeiro, gerente de Vida Selvagem e Bem-Estar Animal destacou que quando  se fala em política pública voltada à causa animal, Cascavel é referência com os trabalhos já colocados em prática como o Castramóvel, o Samucão e agora o Banco de Ração. “E  tudo isso é feito com embasamento técnico da Sema e a gente está sempre buscando forma de melhorar  o serviço para atingir o maior números de pessoas, porque muito embora a gente trabalhe com cães e gatos, nós trabalhamos com a saúde única, onde se envolve saúde animal, meio ambiente e saúde humana”, explicou.

Para ele, o reflexo destas ações será vista a médio e longo prazo. “Não estamos pensando no agora, mas lá na frente. Por isso estas ações têm que ser bem embasadas e bem organizadas porque precisamos começar e manter estes trabalhos, dar uma a constância a eles e assim teremos a diminuição de animais abandonados, maus-tratos e para isso dependeremos destes trabalhos que estamos realizando agora”, completa.

A protetora independente Sirlei Mazur disse que as doações provenientes do Banco de Ração vai auxiliar os trabalhos dos cuidadores. “Muitas vezes eles não têm como comprar a ração para os animais. A ração doada é de qualidade, muito boa.  Eu tenho 16 animais e cuido de mais 20 em uma chácara e cuido de animais de rua, então esta ajuda veio em boa hora e vai garantir a saúde dos  cães e gatos que são retirados das ruas”.

A lei permite:

– doações de estabelecimentos comerciais e industriais ligados a produção e comercialização, atacado ou no varejo, de produtos e gêneros alimentícios destinados aos animais

– doações das apreensões por órgãos da Administração Municipal, Estadual ou Federal resguardada a aplicação das normas legais

– doações de órgãos públicos ou de pessoas físicas ou jurídicas de direito privado.

O texto é da SECOM.

Por Luiz Oliveira

Fonte: CGN

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.