Barueri (SP) barra projeto que proibiria rodeios

Barueri (SP) barra projeto que proibiria rodeios

Proposta do vereador Bidu (SDD) foi negado na sessão da última terça-feira (2) da Câmara Municipal de Barueri com 15 votos contra e apenas 4 a favor.

SP barueri vereadorjo

Em sessão realizada na Câmara Municipal de Barueri nesta terça-feira (2), foi votado um projeto de lei que proíbe a realização de rodeios, touradas e vaquejadas no município de Barueri.

Autor da proposta, o vereador Bidu (SDD) já havia apresentado a mesma proposta em 2006. “Eu apresentei esse projeto de lei no passado e ele não foi aprovado, mas hoje os tempos são outros, a cabeça de vereadores novos são diferentes. Tem pessoas que não querem aprovar esse projeto, não sei por qual motivo. Inclusive trouxeram pessoal do rodeio para fazer pressão e não aprovar esse projeto, mas também temos ativistas aqui, além de pessoas de fora, como o Tripoli, Sarney Filho, professores da Unicamp e da USP, que enviaram apoio ao meu projeto, então cabe ao vereador hoje pensar, pois vão ser cobrados no futuro”, afirmou o legislador antes da votação do projeto.

Quando o assunto foi exposto na sessão, Bidu foi até a tribuna para apresentar seus motivos, entre eles uma lei estadual criada pelo ex-governador Mário Covas, que proíbe a realização de rodeios em municípios que não tenham área rural, caso de Barueri. Logo em seguida ele apresentou um vídeo que mostram maus tratos aos animais utilizados nos eventos. Além disso ele fez questão de enfatizar que “se os senhores vereadores tiverem qualquer dúvida quanto ao rodeio vote a favor do projeto.”

O primeiro a apoiar a proposta foi o vereador Robertinho (PR), seguido por Toninho Furlan (PMDB). Em seguida, porém, o projeto do vereador começou a receber a rejeições. O primeiro a ir contra foi o vereador Kaskata (PSB), que defendeu o projeto, mas usou como justificativa para ir contra a existência de uma lei estadual e dizendo que seria desnecessário uma lei municipal sobre o assunto. Os demais vereadores que se pronunciaram contra – Saulo Góes (PRB) e Carlinhos do Açougue (DEM) – utilizaram argumentos parecidos.

Após as explanações, a proposta foi votada e negada com 15 votos contra apenas os de Bidu, Robertinho, Toninho Furlan e Bau (PRB). O vereador Jô (PV), que no dia 4 de novembro sugeriu a realização de um rodeio na cidade não votou no projeto.

Jô e PV

Presidente do PV em Barueri, o pedido do vereador Jô criou polêmica dentro de seu partido. O vereador Roberto Tripoli (PV-SP) pediu um posicionamento do partido quanto ao assunto e inclusive mandou um ofício à presidência do PV pedindo a exclusão de Jô.

Marcos Belizário, da executiva nacional do partido, disse que o vereador foi infeliz na declaração e sugeriu que ele pedisse afastamento do cargo de presidente municipal do PV enquanto o assunto é resolvido.

“A minha sugestão é que ele se retrate em relação a esse evento. Ele é presidente municipal do PV. Nós temos um partido voltado para a vida, para o respeito à vida, ao ambiente e aos animais. Portanto, não é cabível dentro do partido alguém que defenda um evento que utilize animais, e que os façam sofrer. Nós não defendemos esse tipo de atividade, de entretenimento ou de diversão. Não é um tema que um presidente do partido possa defender”, afirrmou Belizário.

Questionado sobre o tema, o vereador de Barueri voltou atrás. “Eu falei que era a favor do rodeio, mas já que causou tanto problema, acabei dando uma recuada, falei que até era a favor do rodeio, mas um sem animais, apenas com o show”, se retratou Jô. “Eu não estou me importando muito com o que o Tripoli pensa, ele é vereador de São Paulo e eu de Barueri. Eu tenho que representar o povo daqui, tenho que satisfazer a população que votou em mim. Eu tive mais de 3 mil votos, fui o quinto mais votado e tenho que agradar meus eleitores. Então se eu não fui feliz com minha declaração falando que gosto de rodeio eu peço desculpa. Vou continuar meu trabalho aqui na Câmara e a vida continua”, finalizou.

Fonte: Folha de Alphaville

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.