Bebê sagui ganha pais adotivos e se recupera no Projeto Mucky, em Itu, SP

Bebê sagui ganha pais adotivos e se recupera no Projeto Mucky, em Itu, SP

“Tuniquinho” chegou em junho e já apresenta melhora.

Por Jéssica Ferrari

O Projeto Mucky recebeu, no mês de junho, um lindo bebê sagui vindo do Rio de Janeiro. “Tuniquinho” chegou em Itu trazendo alegria para todos, principalmente para seus pais adotivos: Brotinho e Kinguinha.

O saguizinho foi resgatado na rua, após sofrer queda de uma fiação. O pai tentou pegá-lo, mas Tuniquinho já não conseguia mais se segurar nas costas, pois a queda o deixou paraplégico. Para compensar a falta das pernas, usa os braços para ir e vir no viveiro, completamente adaptado às suas limitações.

No Projeto, ele recebe atenção especial das tratadoras e faz fisioterapia, hidroterapia, acupuntura e também recebe vitaminas para se fortalecer. Segundo a equipe Mucky, com o tratamento já foi possível perceber uma boa melhora. Hoje, o sagui já esboça movimentos nos pezinhos e deixa as tratadoras muito orgulhosas.

“Apesar de ter perdido a sua família biológica, ele conseguiu reencontrar o amor nos braços de seus pais adotivos. Brotinho e Tuniquinho são muito parceiros e carinhosos um com o outro, se entregando profundamente ao sentimento mais nobre do mundo: o amor. Constantemente juntos, tomam longos banhos de sol”, conta a equipe Mucky.

O Projeto

O Projeto Mucky existe há 30 anos com o objetivo de reabilitar os primatas brasileiros que sofrem de maus tratos em função do tráfico de animais. É o principal programa voltado a saguis no Brasil.

O espaço está voltado principalmente para a qualidade de vida dos primatas. Portanto, ele não está aberto ao público. Mas é possível conhecer, com agendamento prévio, dentro de um contexto de aprendizagem e educação ambiental.

Para mais informações sobre o Projeto Mucky, agendamentos e colaborações, entre em contato com os responsáveis pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (11) 4023-0143.

Fonte: Itu

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.