Bezerro cego é levado para santuário após ser maltratado pela indústria leiteira

Bezerro cego é levado para santuário após ser maltratado pela indústria leiteira
Foto: Facebook/Road To Refuge Animal Sanctuary

Um bezerro maltratado pela indústria leiteira foi resgatado nos Estados Unidos e levado para um santuário após suportar extremo sofrimento. Retirado precocemente de sua mãe, para que o leite dela pudesse ser comercializado, o filhote não pôde ser amamentado e, por isso, teve problemas imunológicos que o deixaram cego de um olho.

O sofrimento do bezerro, que tinha apenas três dias de vida, comoveu Megan Pereira, do Road To Refuge Animal Sanctuary em North Haven, com sede em Connecticut, para onde ele foi levado.

“Ele começou a ter o que é chamado de ‘falha de transferência passiva’, o que significa que ele não recebeu anticorpos suficientes de sua mãe para ser capaz de suportar um sistema imunológico saudável”, conta Megan. “Por causa disso, ele ficou doente e nós o tratamos com apoio da melhor maneira que podíamos”, explica.

O portal de notícias ABC 27 News revelou que o bezerro viveu em condições desumanas antes de ser resgatado. Acorrentado, ele era mantido em um ambiente insalubre, em meio às próprias fezes. Todo o sofrimento, no entanto, ficou no passado. Encaminhado ao santuário, JD, como passou a ser chamado, recebeu tratamento veterinário e passou a ser cuidado com muito carinho.

“Ele é o rapaz mais engraçado de todos os tempos e está ficando mais forte e muito mais animado”, publicou a entidade nas redes sociais.

O resgate de JD, entretanto, não transformou apenas a vida do bezerro, mas também de Megan, que decidiu se tornar vegana.

“Recentemente, tornei-me totalmente vegana por causa dele. Ele abriu meus olhos para a crueldade da indústria de laticínios. Vendo em primeira mão, ele realmente me inspirou e agradeço por isso”, relata Megan. “Muitos animais passaram pelo nosso santuário. Infelizmente, alguns que nos deixaram e alguns deixam marcas maiores do que outros, mas ele certamente mudará minha vida para melhor”, conclui.

Fonte: O Mato Grosso

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.