Bezerro deixado para morrer por fazendeiro de laticínios experimenta leite pela primeira vez

Bezerro deixado para morrer por fazendeiro de laticínios experimenta leite pela primeira vez

Resgatistas do Animal Aid Unlimited receberam um telefonema de um cidadão preocupado, dizendo ter visto um bezerro jogado ao lado da estrada, então eles rapidamente partiram para salvar o bebê. Quando a equipe chegou, encontrou o bezerro Dil ainda molhado de líquido embrionário e tremendo de medo num trecho rochoso da estrada. O pobrezinho era muito jovem e estava assustado demais para ficar de pé. Um membro da equipe do Animal Aid Unlimited envolveu gentilmente o bezerro em um cobertor e o levou para o abrigo, onde ele começou a ser alimentado e cuidado.

Dil nasceu na indústria de laticínios e, consequentemente, foi arrancado de sua mãe antes que pudesse sequer provar seu leite, sendo em seguida jogado fora como um saco de lixo – o leite vai apenas para clientes pagantes. Somente depois que ele chegou ao santuário do Animal Aid, Dil sentiu seu primeiro gostinho de leite.

Após dois meses de crescimento forte, ele foi liberado para junto da população geral de vacas resgatadas. Como você pode ver, ele ficou em êxtase por estar com seus companheiros de resgate.

Dil permanecerá no abrigo pelo resto de sua vida onde brincará com suas companheiras vacas e trará conforto aos recém-resgatados. Mas os infelizes primeiros dias de Dil são muito comuns na indústria de laticínios. A fim de maximizar a produção de leite, os bezerros são arrastados para longe de suas mães o mais cedo possível. Os bezerros machos são vendidos aos criadores de vitela ou abandonados como Dil. Nenhum bebê deveria ser separado de sua mãe, especialmente antes que ele tenha a chance de provar o leite materno.

Para ajudar bezerros como Dil, doe para o Animal Aid Unlimted e, da próxima vez que você for ao supermercado, experimente uma alternativa livre de laticínios.

Tradução de Alda Lima

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.