BH: Destino das capivaras da Pampulha poderá ser definido nesta semana

O destino das capiravas que habitam a orla da Lagoa da Pampulha poderá ser definido na próxima quinta-feira (06). Este é o prazo para a conclusão do documento elaborado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

O documento, de acordo com a promotoria do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultural, irá detalhar também o futuro de outros animais como cavalos, cães, gatos e jacarés.

A presença das capivaras na região da Pampulha voltou à discussão nos últimos dias após a morte de um menino de 10 anos por febre maculosa no mês de setembro. O local do contágio da doença ainda está sendo investigado pelas autoridades, contudo, a criança frequentou o Parque Ecológico da Pampulha dias antes de sentir os primeiros sintomas da doença.

O MP recomenda que seja elaborado um plano técnico com todos os possíveis impactos das medidas adotadas com um possível manejo dos animais para não provocar um desastre ambiental.

Polêmica

A polêmica envolvendo as capivaras da Pampulha se arrasta há anos. A prefeitura tenta retirar os roedores da região e chegou a remanejar os animais para uma área fechada. Porém, após a mortandade dos bichos, no início deste ano a Justiça Federal mandou liberá-los na orla da lagoa.

Na época, 14 animais foram soltos e nenhum apresentava bactéria de febre maculosa. A PBH recorreu e, desde março, batalha para reverter a decisão para voltar a alojar as capivaras na Fundação Zoo-Botânica de BH.

Fonte: Hoje em Dia


Nota do Olhar Animal: Capivaras morreram, uma criança morreu, neste caso que se arrasta por meses, enquanto órgãos públicos brigam para se eximir de responsabilidades. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.