Blitz ambiental resgata filhote de jacu em Murici, AL

Blitz ambiental resgata filhote de jacu em Murici, AL
Ameaçada de extinção, filhote de ave da espécie Jacu está entre os animais apreendidos. Foto: Marcos Freitas/ICMBio

Uma operação envolvendo órgãos ambientais resultou na prisão de um homem – que não teve a identidade divulgada -, 73 aves e duas armas de caça apreendidas em Alagoas. A ação teve início na quinta-feira (1º) e foi concluída no sábado (3). Os fiscais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA) e policiais militares do Batalhão Ambiental (BPM) atuaram nas cidades de Messias, Murici e União dos Palmares, Zona da Mata alagoana.

Em uma área ecológica localizada na cidade de Murici foi encontrado um acampamento onde os fiscais apreenderam armas e munições. O local era utilizado por caçadores que tinham como alvos animais silvestres. Os policiais destruíram a estrutura.

Ameaça de extinção

Um filhote de jacu, espécie ameaçada de extinção, foi uma das aves encontradas durante a fiscalização. Também conhecida como jacuguaçu, a espécie pode medir até 73 centímetros de comprimento. Suas penas têm cor esverdeada e costumam habitar mata alta.

Isaac Albuquerque é médico veterinário da SOS Selvagens e explicou que o animal entrou para a lista de animais ameaçados de extinção por conta da caça. “Existe um hábito, ou mau hábito, dos caçadores em Alagoas de se alimentarem dessa ave. Aliado a isso, a destruição do seu habitat natural tem feito com que o Jacu seja cada vez mais raro no meio ambiente”, explicou.

A ave vive nas árvores, descendo para se alimentar de frutas, folhas e brotos. Bebem água na beira dos rios e são monógamos. O casal faz um ninho pequeno as vezes no alto das árvores ou em ramos sobre a água ou ainda em troncos caídos. Aproveitam também os ninhos abandonados de outras aves. Os ovos são grandes e o período de incubação é de 28 dias. As ninhadas são de dois a três filhotes.

“O projeto Mutum-de-alagoas, que também está em risco de extinção e não é mais encontrado na natureza, também deve abrigar o jacu e outras espécies ameaçadas”, afirmou o veterinário, destacando que é necessário aproveitar a potencialidade de reprodução em cativeiro para o repovoamento das espécies no meio ambiente.

Todos os animais foram levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama e vão passar por uma reabilitação para terem a possibilidade de voltar ao seu habitat.

Fonte: OP9

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.