Blitz preventiva alerta sobre tráfico de animais em Montes Claros, MG

Blitz preventiva alerta sobre tráfico de animais em Montes Claros, MG

Por Girleno Alencar

A Polícia Militar de Meio Ambiente e agentes do Sistema Estadual de Meio Ambiente realizaram ontem de manhã duas blitze educativas em Montes Claros, nas saídas para Janaúba/Salinas e de Januária, quando alertaram aos motoristas sobre a proibição de traficar animais silvestres. Desde ontem que 300 militares e mais de 50 servidores estaduais estão capacitados e autorizados a aplicarem multas em pessoas que forem flagradas praticando o tráfico e a caça de animais no Norte de Minas. Até agora apenas o Ibama podia desempenhar essa função, mas com a delegação ao Estado, os profissionais da área foram treinados e capacitados.

O tenente Davi Pereira de Oliveira Junior, comandante do Pelotão de Meio Ambiente da Polícia Militar em Montes Claros, explica que a cidade é rota para a ação dos traficantes de animais, pois como recebe o fluxo de três rodovias federais, são muitos carros trafegando, principalmente na interligação Nordeste/Sudeste. É comum o tráfico de animais saindo do Nordeste em direção ao Sudeste. Porém, no mês passado a PM apreendeu mais de 600 animais que faziam a rota inversa, pois foram animais trazidos do Sul/Sudeste em direção ao Nordeste. O flagrante ocorreu na cidade de Espinosa, que fica na divisa da Bahia.

MG MontesClaros blitz preventiva alerta sobre trafico animais 2

Porém, desde segunda-feira que os policiais de meio ambiente e servidores dos órgãos de meio ambiente começaram a ser capacitados em curso em Montes Claros, visando assumirem a nova função, de aplicação de multas nos casos flagrados de caça e tráfico de animais. Até então, as multas administrativas somente podiam ser aplicadas pelo Ibama. A Polícia Militar de Meio Ambiente, quando fazia o flagrante, podia lavrar o boletim de ocorrência e prender o infrator, quando em casos criminais. Agora, além disso, poderá aplicar a multa.

O produtor rural Adão Francisco Rodrigues, da comunidade rural de Charquinha, em Francisco Sá, foi abordado na blitz realizada na BR 251 e deu pleno apoio ao movimento, pois lamenta que a ação do homem esteja acabando com vários animais. Ele afirma que na sua área, sempre tinha tatu, veados e lobo guará, mas eles desapareceram, por causa do desmatamento. Na sua casa, cria somente animais domésticos, por falta de tempo para cuidar e por entender que eles devem viver mesmo no mato.

Fonte: Gazeta Norte Mineira

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.