Bois usados para puxar carroça sofrem maus-tratos em Feijó, AC

Bois usados para puxar carroça sofrem maus-tratos em Feijó, AC

Animais não suportam excesso de peso. ‘Dói na alma’, diz estudante que denunciou caso em rede social. 

Por Genival Moura

AC feijo bois maustratos

A estudante Sthefany Alencar Leite, de 25 anos, usou sua página na rede social Facebook, para denunciar maus-tratos, que segundo ela, são cometidos diariamente contra animais que fazem o transporte de cargas no município de Feijó, interior do Acre. Fotos postadas pela estudante mostram animais caídos por não suportarem o excesso de carga nas carroças.

“Os maus-tratos com esses animais virou algo comum em Feijó. Além das pessoas usarem esses bois como meio de transporte, ainda extrapolam suas forças carregando um peso além do que podem suportar. A maioria da população acha isso normal, até porque acontece todos os dias. Alguns que praticam esses crimes são menores de idade. A jornada desses animais é muito cruel, dói na alma”, relatou a estudante por telefone ao G1.

AC feijo bois maustratos2

Segundo o Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac) cerca de 40 condutores de carroças utilizam a tração animal para fazer transportes de cargas em Feijó. De acordo com Luciano Muniz, coordenador do núcleo do órgão no município, várias denúncias já foram feitas ao Imac.

“A gente ainda não conseguiu flagrar, quando chegamos geralmente a pessoa tem se ausentado, mas já pedimos à Polícia Militar que ao encontrar situações como estas, faça a detenção e nos comunique, que iremos fazer o auto de infração por maus-tratos contra animais que é um crime ambiental. Estamos organizando ainda um trabalho de conscientização em parceria com o Ministério Público Estadual e Secretaria Municipal de Meio Ambiente, ressalta Luciano Muniz.

O promotor de justiça, Fernando Reges, que responde pela Promotoria de Meio Ambiente em Feijó, explicou que até o momento a promotoria ainda não recebeu denúncias sobre maus-tratos com esses animais usados em transporte. “Mas com base nessas imagens que serão divulgadas, a gente pode abrir um procedimento de investigação para apurar essa denúncia”, conclui.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.