Bombeiros resgatam cão que ficou prensado entre paredes em Alfenas, MG

Bombeiros resgatam cão que ficou prensado entre paredes em Alfenas, MG
O cão ficou entalado por mais de 2 horas e só foi retirado pelos bombeiros (Foto: Reprodução Internet)

Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi chamada, na manhã desta segunda-feira, para um trabalho inusitado: salvar um “cãozinho” em apuros. O animal ficou preso entre duas paredes por cerca de duas horas e só conseguiu sair de lá com a ajuda dos bombeiros que tiveram que quebrar parte de um muro.

A ação dos bombeiros foi rápida: durou cerca de 20 minutos. Mas o sofrimento do animal e da família, dona do “cãozinho”, durou algumas horas.

O sargento Cardoso, do Corpo de Bombeiros, que comandou a ação, diz que os bombeiros só são chamados nesses casos após muitas tentativas de populares. Foram cerca de duas horas de tentativas segundo informações das pessoas que pediram a ajuda do Corpo de Bombeiros, informou o militar. “Só chamam quando não tem mais jeito mesmo”, comenta.

O caso aconteceu na rua Joaquim Manso Vieira, no Jardim Elite. Entre a residência dos proprietários do animal e um muro da casa vizinha são menos de 10 centímetros e foi nesse espaço que o cão entrou e não conseguiu sair.

mg_alfenas_bombeiros_resgatam_cao_prensado_paredes_1

O problema, conta o sargento, é que as paredes não são lisas e sim chapiscadas. Isso dificultou a saída do animal, que ficou entalado. “Qualquer movimentação do animal, com o uso de cordas (para puxá-lo, por exemplo), acabaria ferindo o cão”, explicou.

Diante da situação, os bombeiros pediram autorização para o vizinho e tiveram que quebrar parte do muro e, assim, retirar o cão.

O bombeiro conta que, após o resgate do animal, recomendou a família que promova uma reforma no local, acabando com esse espaço que pode causar infiltrações na residência, além de poder ser refúgio de bichos e outros tipos de animais. O sargento David Cardoso comandou o resgate que também contou com o soldado Erickson.

Por Alessandro Emergente

Fonte: Alfenas Hoje 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.