Bonsai, o cãozinho que é exemplo de superação

Bonsai, o cãozinho que é exemplo de superação

EUA bulldog ppd

Um pequeno bulldog tem feito sucesso na internet com um exemplo de superação animal. Apesar de vir ao mundo com várias doenças genéticas, Bonsai segue firme e forte na sua luta diária, esbanjando ainda uma boa dose de fofura por onde passa.Nascido com síndrome de regressão caudal, uma malformação congênita que provoca alterações no nível de desenvolvimento da metade inferior do corpo, o cãozinho não tem apenas esta barreira.

Tal condição ainda afeta a parte inferior das costas (incluindo a medula espinhal) e das extremidades, o sistema urinário e os órgãos genitais, além do gastrointestinal. Além disso, o cãozinho veio ao mundo com metade da espinha, sem pélvis funcional e pernas contraídas, o que o impossibilita de andar quando somada a síndrome do cão nadador, uma anormalidade genética que atinge cães com patas curtas. As patas traseiras tiveram de ser amputadas.

Mas, com apoio dos donos e da comunidade, o bulldog segue sobrevivendo. Diante das dificuldades, o primeiro passo foi entrar em contato com a Friends of Emma, uma organização de resgate no Texas, dedicada a ajudar cachorros com necessidades especiais.O cãozinho já recebeu mais de US$ 20 mil através de financiamento coletivo para passar por cirurgias, exames e ter todo o acompanhamento necessário. Ele segue em frente, feliz da vida, om seus tratamentos. #forçabonsai

EUA bulldog ppd2

EUA bulldog ppd3

Fonte: Blog Social1 

Nota do Olhar Animal: A criação de animais “de raça” causa inúmeros danos a eles. Ao buscar a preservação de características físicas e até mesmo comportamentais, os criadores acabam por perpetuar e acentuar características indesejadas, como a propensão a doenças, deformações, etc. Não sabemos se esta é especificamente a história de Bonsai, mas é a de inúmeros outros cães e gatos, vitimados pela exploração. Recomendamos a leitura de artigos sobre as implicações da criação de animais “de raça” clicando aqui

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.