Boto-cinza é encontrado morto com calcinha presa a nadadeiras

Boto-cinza é encontrado morto com calcinha presa a nadadeiras
Boto foi encontrado morto com uma calcinha presa às nadadeiras em praia de SC — Foto: Projeto de Monitoramento de Praias/BS Univille/Reprodução

Um boto-cinza foi encontrado morto com uma calcinha presa às nadadeiras peitorais em Itapoá, no Norte catarinense. O resgate do animal foi feito pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP/BS Univille) no último domingo (16), mas o fato só foi divulgado pela entidade nesta sexta-feira (21).

Amostras foram coletadas para a realização de análises complementares para confirmar a causa da morte.

Contudo, a equipe de veterinários acredita que o tecido preso tenha influenciado no quadro clínico geral de debilidade crônica do animal, comprometendo a natação, dificultando a pesca e diversos outros hábitos realizados pelo boto.

Boto-cinza foi encontrado morto com calcinha presa a nadadeiras em praia de SC — Foto: Projeto de Monitoramento de Praias/BS Univille/Reprodução

De acordo o projeto, o boto-cinza, ou Sotalia guianensis, encontrado morto na praia do Pontal se tratava de uma fêmea juvenil. Ela tinha aproximadamente 1,4 metro de comprimento e pesava 32,2 quilos. A calcinha, segundo os pesquisadores, estava presa “de forma profunda”, a nível cutâneo e até ósseo.

Segundo a médica-veterinária Giulia Gaglianone, a suspeita é que o boto tenha se enroscado no tecido quando era mais jovem.

“O tecido foi cortando a pele de tal forma que a pele cresceu sobre a tira de pano. Quando as bordas da pele se tocaram, iniciaram o processo de cicatrização, mas a presença do pano manteve as lesões fistuladas, ou seja, abertas”, informou a pesquisadora.

Exames feitos pelos pesquisadores confirmaram os danos causados pelo pedaço de tecido no animal — Foto: Projeto de Monitoramento de Praias/BS Univille/Reprodução

Além da lesão causada pelo tecido, o animal apresentava sinais de debilidade crônica como magreza, pneumonia severa e grande quantidade de parasitas em parte do ouvido e nos pulmões.

O boto apresentava ainda marcas de emalhe de rede de pesca ao redor do rosto e do orifício respiratório.

Boto apresentava também outras lesões, segundo os pesquisadores — Foto: Projeto de Monitoramento de Praias/BS Univille/Reprodução

Descarte incorreto de lixo
 
Com a situação do boto, o Projeto de Monitoramento fez um alerta sobre o descarte incorreto de lixo. Segundo os pesquisadores, o processo de decomposição de tecidos é lento. No caso de tecidos naturais, como o algodão, o linho e a seda, ele pode durar meses. Mas quando se trata de tecidos sintéticos, como o poliéster, o processo pode chegar a centenas de anos.

“Nos oceanos, os tecidos agem como “redes de pesca”, capturando incidentalmente, emalhando e matando diversas espécies marinhas”, informou o projeto.

Calcinha encontrada presa às nadadeiras do boto — Foto: Projeto de Monitoramento de Praias/BS Univille/Reprodução

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.