Foto: Reprodução/Facebook

Boto-cinza encontrado no litoral paranaense tinha marcas de rede de pesca

Um golfinho foi encontrado morto no balneário Inajá em Matinhos nesta semana e despertou a curiosidade de quem passava pelo local. A equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná foi acionada e atendeu a ocorrência. A carcaça foi recolhida e se tratava de um boto-cinza (Sotalia guianensis), com 1,84 m de comprimento total, já em avançado estágio de decomposição.

A coordenadora do Laboratório de Ecologia e Conservação Camila Domit explica a qual espécie pertence o animal. Ela conta que este tipo de boto é bastante frequente nas águas do litoral paranaense.

O animal foi encaminhado para a UFPR onde foi realizada a necropsia, mas não foi possível definir a causa da morte devido ao processo de decomposição dos tecidos. Foi identificado que era um macho e amostras biológicas foram coletadas para análises futuras, que possibilitam maior conhecimento sobre as espécies e a saúde do ecossistema costeiro e marinho.

Camila Domit revela algumas características que puderam ser observadas na carcaça do animal, e de forma preliminar levantar algumas hipóteses sobre o que causou a morte deste boto-cinza.

Como proceder em caso de avistar um animal marinho na praia
O Laboratório de Ecologia e Conservação do Centro de Estudos do Mar da UFPR monitora os animais marinhos no Paraná desde 2008 e uma das principais atividades contínua é o registro da mortalidade da fauna marinha nas praias. Os animais que chegam às praias sem vida e as carcaças são encaminhadas para universidade que conduz à análise de saúde com avaliação das causas de mortalidade e potenciais impactos à fauna marinha.

Camila Domit orienta como deve proceder quem encontrar animais encalhados ou mortos nas praias do Paraná.

O Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná solicita a população que caso aviste uma tartaruga, golfinho ou ave marinha morta ou debilitada entre em contato com a equipe de biólogos através do telefone: 0800 642 3341 ou 3511-8600.

Por Vanessa Fernandes

Fonte: CBN Curitiba

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.