Botos são resgatados após ficarem presos em poços formados em rio

Botos são resgatados após ficarem presos em poços formados em rio

Três animais foram salvos por força-tarefa no rio Formoso; veja vídeo. Mais sete botos devem ser resgatados; técnicos também procuram por peixes.

Três botos foram resgatados no rio Formoso, na região do município de Lagoa da Confusão, a 220 km de Palmas, TO. Os animais têm entre 80 kg e 200 kg, sendo dois adultos e um jovem. Eles estavam presos em piscinas e poços que tem se formado ao longo do afluente.

Os rios da região estão sendo monitorados desde a semana passada por técnicos do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). Um vídeo dos resgates foi gravado pelo Instituto. O objetivo da operação é encontrar e resgatar espécies que estejam em áreas de risco.

De acordo com informações do Naturatins, os animais estão sendo levados para o rio Javaés, braço direito do rio Araguaia, a cerca de 10 quilômetros do local da captura.

O ponto de soltura fica no cruzamento o município de Lagoa da Confusão para Ilha do Bananal. “Além de possuir fartura de água, são encontradas as mesmas características do habitat dos animais, o que facilita o retorno de todos quando ocorrer a recuperação da vazão dos pontos do rio de onde foram transferidos”, explicou o órgão.

Segundo o inspetor e supervisor de Segurança de Barragens da Diretoria de Licenciamento Ambiental do Naturatins, Felipe Pimpão, outros animais devem ser regatados nos próximos dias.

“Cerca de seis a sete botos podem vir a necessitar de resgate, o que pode exigir outras operações de salvamento. Além de peixes como o pirosca, também conhecido como pirarucu e demais espécies que se encontre em dificuldade”, apontou.

Até o momento quatro botos foram resgatados no mês de julho. Há duas semanas o Naturatins resgatou um boto e oito tartarugas no Parque Estadual do Cantão. O trabalho de monitoramento deve ser estendido para outros municípios da região.

TO LagoadaConfusao botos boto 2

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.