Brasil terá coragem para liderar o diálogo sobre a experimentação animal, afirma o idealizador da Declaração de Cambridge

O pesquisador citou o episódio dos cães Beagles ocorrido em outubro do ano passado. Na ocasião, cerca de 100 ativistas invadiram um laboratório, no interior de São Paulo, para resgatar animais utilizados em testes realizados pelo Instituto Royal. Para uma plateia que lotou o auditório do III Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal, realizado em Curitiba, Low disse acreditar que o caso dos Beagles foi importante porque fez o país acordar para a discussão.

“Eu teria feito diferente. Ao invés de sair quebrando as coisas, eles (os ativistas) deveriam lutar para mudar as leis para que os cientistas tenham novos desafios”, afirmou o cientista em entrevista ao Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). Ele se refere, por exemplo, à adoção de tecnologias não invasivas já existentes no mercado.

Low, que trabalha no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) nos Estados Unidos, disse ver o Brasil como um país aberto ao diálogo. “Vim da Califórnia por acreditar que algo muito importante está acontecendo neste país. Acho que a maior parte dos cientistas quer ajudar. Se as leis permitirem que eles usem ferramentas diferentes, eles usarão”, opina.

O neurocientista afirma que, embora tenha sido de muita utilidade, a experimentação animal apresenta diversas limitações. “Ela é feita por pessoas que querem ajudar a sociedade. Mas, por outro lado, há a indústria de alimentos que mata animais sem nenhuma razão”, afirma. “O primeiro passo é fazer com que as pesquisas com os animais melhorem para que eles não sejam submetidos a sofrimentos. Acredito que, se fizermos os sacrifícios e os investimentos corretos, a experimentação animal poderá ser muito mais focada, limitada e ética”, avalia.

Com o rascunho original escrito a mão, Phip Low leu para o público presente a Declaração de Cambridge, manifesto publicado em 7 de julho de 2012 e assinado por outros 25 pesquisados de renome. O documento aponta evidências científicas suficientes para garantir que, assim como os seres humanos, os animais, como as aves, os mamíferos e certos invertebrados também possuem consciência.

As informações são do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), adaptadas pela Equipe Nossa Matilha.

Fonte: Nossa Matilha

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.