Búfalos trazidos pela correnteza vagam pelas ruas de Porto Alegre

Búfalos trazidos pela correnteza vagam pelas ruas de Porto Alegre
Muitos búfalos foram avistados nesta sexta-feira correndo por ruas e rodovias de Porto Alegre — Foto: Reprodução

O excesso de chuvas que atingiu esta semana o Rio Grande do Sul trouxe um personagem diferente para as ruas da capital gaúcha e as redes sociais: muitos búfalos foram avistados nesta sexta-feira correndo por ruas e rodovias de Porto Alegre [RS], desde o Shopping Pontal até a região do aeroporto.

Os animais eram da fazenda de Oswaldo Linck, na ilha do Lage, a última do rio Jacuí, um dos que desembocam no delta do rio Guaíba. Linck disse à Globo Rural que as águas chegaram à fazenda, que fica a cerca de 20 km da capital, com muita correnteza e subiram muito rápido, levando tudo que encontravam pela frente, incluindo animais, construções e telhados. Ele estima um prejuízo de R$ 500 mil, que pode subir.

VÍDEO: Búfalo no meio da estrada no RS

“A água chegou rápido arrastando tudo e cheia de objetos como geladeiras, botijões, tonéis e madeiras. Tentamos resgatar os búfalos, mas uns 200 que estavam no curral foram levados pelas águas. Tivemos que priorizar salvar nossas vidas, a dos trabalhadores e dos animais menores. Temos esperança de resgatar alguns porque os búfalos são jovens (animais machos e fêmeas de 1 ano), e nadam muito bem a favor da correnteza”, diz o criador.

O pecuarista que cria búfalos de corte há dez anos diz que os animais são dóceis, acostumados com as pessoas, mas lamenta que eles possam estar muito assustados com o tráfego de carros e a curiosidade das pessoas. “A gente fica triste porque eles podem causar acidentes na tentativa de fuga e podem assustar as pessoas que têm na cabeça que búfalos são animais perigosos.”

Desireé Möller, presidente da Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu), diz que está tentando montar uma operação junto com a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) para tentar resgatar neste sábado os búfalos na cidade.

“É uma operação difícil. Temos que ir a cavalo, laçar os animais e colocar no caminhão. Eles não deveriam ser perigosos, mas não sabem para onde correr e certamente estão perturbados por curiosos e pelo fluxo de carros.”

Ela lembra que no ano passado em outra enchente não tão desastrosa como essa um criador de Venâncio Aires também registrou fuga de seus búfalos.

“Ele tinha 120 animais e o rio levou tudo. Conseguimos recuperar uns 70. Teve uma búfala que percorreu 170 km rio abaixo. Um pescador viu, laçou o animal, puxou para a terra e nós fomos de reboque buscar.”

O Rio Grande do Sul tem cerca de 500 criadores de búfalos e 50 mil animais.

Por Eliane Silva

Fonte: Globo Rural

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.