Burros a ponto de serem sacrificados são resgatados por executivo que largou o mundo da moda por eles

Burros a ponto de serem sacrificados são resgatados por executivo que largou o mundo da moda por eles
Imagem ilustrativa (Pixabay)

Um homem com uma carreira de sucesso na indústria da moda, mudou radicalmente sua vida ao decidir dedicar todos os seus esforços ao resgate de burros nos Estados Unidos.

A vida de dezenas de burros em um cercado do Texas mudou a partir de dezembro de 2020, quando Ron King, um executivo que trabalhou por 20 anos na indústria da moda, tornou-se vice-presidente sênior da InStyle, People StyleWatch, People in Spanish, Southern Living e Sunset – inaugurou o Centro de Adoção e Santuário Oscar’s Place.

Esses burros estavam destinados ao abate, pois seu pelo é altamente cobiçado para atender à crescente demanda por um medicamento popular chinês conhecido como ejiao, que promete curar vários problemas de saúde, como anemia, insônia e problemas de circulação sanguínea.

Além disso, enquanto pesquisava mais sobre o assunto, King encontrou um artigo do The Guardian, que lhe apresentou uma perspectiva impressionante: estima-se que dentro de cinco anos, metade da população mundial de burros será abatida para apoiar esta indústria. Em 2017, eram 44 milhões.

Por sorte, King soube desse sério problema quando se mudou para Mendocino, na Califórnia, com o objetivo de vender uma propriedade de 75 acres para seu amigo Phil Selway. Há apenas dois anos, ele encerrou seu relacionamento profissional no agitado mundo da moda e estava se reconectando consigo mesmo.

“Eu realmente tinha caído no chão e me perdido”, King declarou ao Oprah Daily em uma entrevista.

“Me vi com muito dinheiro e muitas roupas de grife, mas sozinho e infeliz […], peguei uma mala e fui embora”, lembrou.

Selway, seu amigo, havia desistido de seu sonho de transformar a propriedade em um santuário de animais de fazenda. Então, quando ele ouviu a proposta de King de fundar um santuário para jumentos, “ele pensou que eu estava louco!”, lembrou.

No entanto, ele nunca havia sido tão determinado. Com apenas algumas semanas na rústica propriedade, King sentiu uma emoção incomum, mas doce, preencher todo o seu ser.

“Eu estava indo dar um passeio e tive uma sensação muito estranha, como, ‘O que estou sentindo agora?’ E eu percebi que era serenidade, e fiquei calmo”, relatou ele.

Por fim, seu amigo concordou e, em dezembro de 2020, os primeiros cinco burros chegaram ao Santuário e Centro de Adoção do Oscar’s Place, que recebeu esse nome em memória do amado gato falecido de King.

Embora King tenha admitido ao Mercury News que não estava preparado para iniciar um projeto colossal, ele nem mesmo possuía roupas de trabalho. Muito do que ele teve que aprender sobre como administrar o santuário veio do grupo britânico The Donkey Sanctuary.

Ele nasceu em uma fazenda no Arkansas, mas os únicos animais com os quais ele teve contato nos últimos anos foram seus gatos.

“E os gatos não te preparam para burros”, confessou. No entanto, ele formou uma equipe que até agora resgatou 78 jumentos de maus tratos e da morte.

Os burros que chegam ao santuário geralmente estão mal de saúde, desnutridos e precisam de atenção veterinária imediata. Algumas chegam grávidas, por isso o local tem uma sala de maternidade.

“Eu saio de manhã e os chamo para eles e eles vêm correndo para mim. Eles são como cachorrinhos”. E os bebês são especialmente fofos, “Eles adoram acariciar … se você se sentar, os bebês pulam no seu colo”, afirmou ele ao Oprah Daily.

Os burros resgatados no abrigo também podem ser entregues para adoção e, nesses casos, não separam as mães dos bebês, ou dos melhores amigos, já que o vínculo que eles formam é muito especial.

“Quando um burro chamado Felix contraiu pneumonia e teve que ser transferido para um hospital veterinário, seu melhor amigo foi com ele para lhe fazer companhia”, explicou ao Mercury News.

 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Uma publicação compartilhada por Ron King (@ronking_nyc)

Aos 52 anos, King reflete sobre sua nova vida: “É fisicamente exaustivo. Estou jogando fardos de feno e carregando sacos de cimento de 20 quilos, e persigo animais que chutam e mordem quando você tenta dar injeções”.

No entanto, ele admite: “Quando eu olho para trás nesta jornada, uma das coisas de que mais terei orgulho é ter proporcionado uma segunda chance para esses animais merecedores. Eu sei que mudei o curso de suas vidas. E seu impacto sobre mim foi incomensurável”, acrescentou.

Por Celeste Armenta

Fonte: Epoch Times

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.