Caça ao golfinho ‘expulsa’ Japão da Associação Mundial Zoológicos e Aquários

Caça ao golfinho ‘expulsa’ Japão da Associação Mundial Zoológicos e Aquários
 
A Associação Mundial de Zoológicos e Aquários expulsou o Japão como Estado membro por praticar caça tradicional de golfinhos, um método que a organização considera “cruel”.

caça golfinho Japão

A Associação Mundial de Zoológicos e Aquários (WAZA, na sigla inglesa) tomou esta decisão no final de abril, após a Associação japonesa de Zoológicos e Aquários (JAZA) reafirmar o seu apoio à caça de golfinhos levada a cabo todos os anos na localidade de Taiji, prefeitura de Wakayama, segundo informou num comunicado.

O organismo internacional considera que o Japão violou o seu Código de Ética e Proteção Animal ao praticar de forma reiterada esta pesca tradicional.

Em particular, a associação requer a todos os Estados membros que proíbam “a captura de animais selvagens com métodos cruéis e não seletivos”.

A WAZA também se comprometeu a garantir que nenhum dos países membros adquire golfinhos capturados pelo Japão através deste método.

A sanção pode afetar os 153 jardins zoológicos e aquários do Japão que adquiram ou recebam exemplares de outros centros, além de prejudicar a indústria pesqueira de Taiji, segundo o jornal nipónico Asahi.

A caça ao golfinho e outros cetáceos em Taiji ganhou notoriedade internacional ao ser retratada no filme norte-americano “The Cove”, vencedor de um Óscar em 2009.

A maioria dos animais são atingidos por um arpão e têm como destino o consumo humano, ainda que uma pequena parte seja capturada viva e vendida a jardins zoológicos e aquários em todo o mundo.

As autoridades locais defendem a captura de cetáceos pelo seu valor tradicional e como parte da sua cultura gastronómica.

Fonte : Jornal de Notícias 

Nota do Olhar Animal: A hipocrisia salta aos olhos. A WAZA, que censura o Japão, representa zoológicos e aquários de todo o mundo, instituições onde abusos e maus-tratos são inerentes às suas atividades comerciais de exploração do confinamento de animais. Inclusive faz vistas grossas a um dos mais notórios casos de maus-tratos, o do SeaWorld, nos EUA. Aliás, a “expulsão” do país asiático se dá apenas pelo método usado contra os golfinhos, não pela matança em si. Muita, mas muita hipocrisia. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.