Caçador de animais silvestres é preso em Caraguatatuba, SP

Caçador de animais silvestres é preso em Caraguatatuba, SP
Caçador de animais silvestres é preso em Caraguatatuba

No final da tarde de sexta-feira (02/06), equipes do Grupamento Tático Ambiental receberam denúncia de que um homem morador do bairro Massaguaçu, em Caraguatatuba, estaria cometendo o crime de maus-tratos a um cavalo e praticando caça ilegal de animais silvestres. No local indicado os militares localizaram o cavalo que segundo denunciante estaria em situação de maus-tratos e nas proximidades o responsável pela animal. Durante a fiscalização os policiais observaram que o equino gozava de perfeitas condições de saúde, sem ferimentos ou parasitas, com água e comida à disposição, fatos que contradizem o crime denunciado.

A respeito da prática de caça ilegal, o homem de 42 anos confessou que possuí uma espingarda de fogo e que regularmente abate animais silvestres para seu consumo, informando que o material bem como uma parte de “porco do mato” que matou há alguns dias estariam na sua casa. Na residência, o infrator indicou para a equipe policial o local onde estaria guardada a espingarda, e os militares localizaram a arma e diversos petrechos utilizados no crime de caça, roupas camufladas e mais de 60 munições calibre 32 intactas. Ainda na casa, os militares localizaram dois pássaros silvestres nativos das espécies “coleirinho” e “curió” sem documentação.

Frente os flagrantes, o homem foi conduzido ao Distrito Policial de Caraguatatuba onde o delegado elaborou o boletim de ocorrência pelos crimes de caça e posse ilegal de arma de fogo, permanecendo o infrator preso à disposição da Justiça. Na esfera administrativa a Polícia Ambiental elaborou o Auto de Infração Ambiental pelo crime de caça e por ter em cativeiro 2 (duas) aves da fauna silvestre nativa sem licença/autorização, com multa no valor de R$2.500,00 (dois mil e quinhentos reais).

Para solicitações e denúncias no Litoral Norte, a Polícia Ambiental pode ser acionada pelos telefones 190 ou (12) 3886-2200.

Fonte: Tamoios News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.