Caçadora de troféus se torna a presa: fúria após a mulher exibir um leopardo abatido

Caçadora de troféus se torna a presa: fúria após a mulher exibir um leopardo abatido

Uma caçadora de troféus provocou fúria no mundo todo depois que um grupo pró-caça compartilhou uma foto chocante dela segurando com orgulho um leopardo que matou a tiros.


O clube americano Safari Club International compartilhou em sua página no Facebook a imagem de uma caçadora de grandes animais, identificada como Britany L., o que causou indignação não apenas entre os ativistas de direitos dos animais, mas entre celebridades também.

As top models Naomi Campbell e Doutzen Kroes estavam entre as primeiras a expressarem seu horror depois que especialistas disseram que o impressionante e enorme felino era, provavelmente, o nono maior já abatido.

As duas compartilharam uma publicação do Instagram de David Bonnouvrier, fundador do grupo ativista contra o comércio de marfim Knot on my Planet, que pediu a seus seguidores que “encontrem esta p***” numa mensagem irada.

Ele escreveu: #findthisb**** Um enorme leopardo macho morto recentemente por Britany L., membro de clube de safari internacional com base em Tucson, Arizona, contatem-nos e mostrem um pouco do que vocês pensam a respeito. #sci #stopbiggamehunting #idiot #monstress.”

A publicação viralizou com 42.000 comentários e 217.000 visualizações compartilhadas.

A Sra. Kroes disse: “Como você pode se orgulhar e sentir prazer em matar um belíssimo animal como este leopardo macho.  A mulher na foto deveria se envergonhar! Eu acho repugnante e estou muito angustiada, triste e irada por isto ainda acontecer!”

Celebridades e ativistas da mesma forma exigem agora que a mulher seja corretamente identificada.

As top models Naomi Campbell e Doutzen Kroes estavam entre as primeiras pessoas a expressar seu horror.

A morte do leopardo segue o mesmo rumo da caçada de uma girafa rara de 18 anos de idade por Tess Thompson Talley, que compartilhou uma foto doentia de si mesma em pé diante do cadáver do animal.

A Sra. Thompson Talley, de Kentucky, EUA, se gabou nas mídias sociais: “Minhas orações por uma caçada de sonho se tornaram realidade hoje!

Avistei este raro macho de girafa negra e o espreitei por um longo tempo.  Eu sabia que era ele. Ele tinha mais de dezoito anos de idade, 1.800 quilos, e fui abençoada de poder retirar 900 quilos de carne dele.”

Ela também enfrentou uma onda de respostas depois de se vangloriar das fotos compartilhadas na conta do Twitter chamada Africa Digest, com o comentário: “Uma selvagem americana branca, parte Neanderthal, vem à África e atira numa girafa negra muito rara, cortesia da estupidez da África do Sul.”

A Sra. Thompson Talley de Kentucky, EUA, se vangloriou nas mídias sociais.

“Seu nome é Tess Thompson Talley.  Por favor, compartilhem.”

A caçadora então voltou atrás em sua observação, comentando o quanto era rara esta girafa e reclamando dos insultos “desprezíveis” que tinha recebido pela internet, resultantes de sua matança.

Ela disse numa declaração que “algumas das coisas mais odiosas foram dirigidas a mim e a outras caçadoras.”

As duas caçadas ecoam a o dentista Walter Palmer, de Minnesota, que recebeu vários protestos após matar o adorado leão Cecil durante uma caçada aos troféus no Zimbábue.

Por Carly Read / Tradução de Sônia Zainko

Fonte: Express

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.