Cachorra que superou maus-tratos foge 3 dias após adoção no litoral de SP: ‘Angustiante’

Cachorra que superou maus-tratos foge 3 dias após adoção no litoral de SP: ‘Angustiante’

A cadelinha Iara escapou três dias após ganhar a chance de recomeçar em uma nova família. Depois de ser resgatada de maus-tratos e superar um câncer, a cachorra roeu a coleira e desapareceu em Guarujá, no litoral de São Paulo. “Fui acompanhar uma amiga para comprar ração e me apaixonei por ela. Estou desesperado”, desabafa o autônomo e novo tutor, Wesley da Silva Chaves.

A cachorra foi resgatada com as duas irmãs pela equipe da Diretoria de Proteção e Bem Estar Animal da cidade. Iara estava magra, desnutrida e com um tumor maligno contagioso, conhecido como TVT. As três foram tratadas e encaminhadas para a adoção. “Ela estava encolhida no canto e quando me viu abanou o rabinho. Foi amor à primeira vista e eu precisava dar essa chance para ela”.

Ele conta que trabalha em tempo integral e que sua mãe ligou para contar sobre o desaparecimento após a coleira arrebentar. “Vim correndo para a casa, mas infelizmente não encontrei nenhum vestígio dela. Faz três dias e todos os dias eu saio para procura-la. É muito difícil não ter ela em casa com a gente”, diz.

O autônomo conheceu a cachorrinha por acaso. “Fui ao pet shop com uma amiga. Ela estava no cantinho dela, quietinha e dormindo. Quando me viu, balançou o rabo e veio brincar. Sabia que ela era certa para mim, trouxe para casa no mesmo dia e me deixou muito animado”.

Cachorra roeu a coleira e desapareceu em Guarujá, SP — Foto: Arquivo Pessoal
Cachorra roeu a coleira e desapareceu em Guarujá, SP — Foto: Arquivo Pessoal

Wesley conta que perdeu os dois cachorros idosos há dois meses e que a mãe era extremamente apegada. “Um animal não substitui o outro, mas eu queria que a minha mãe sentisse esse amor novamente. Ela ficou muito mal quando tudo aconteceu”, desabafa.

Para ele, ser um animal vítima de maus-tratos nunca foi um problema. Wesley ressalta que se sente bem fazendo coisas assim. “É satisfatório. Todos os meus animais foram resgatados. A esperança é a última que morre, tenho fé que vou encontrar e não vou desistir enquanto ela não estiver conosco de novo”, finaliza.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.