Cachorrinha morre por inanição e tutor alega falta de tempo em Alegrete, RS

Cachorrinha morre por inanição e tutor alega falta de tempo em Alegrete, RS

O animal, atado em uma área sem acesso a água e comida, foi encontrado sem vida. Ao lado, um outro cão, visivelmente maltratado, só escapou de condições mais graves porque algumas pessoas na vizinhança o alimentavam, dado que ele estava solto no pátio.

Maus-tratos: cachorrinha morre por inanição e tutor alega falta de tempo em Alegrete

A Brigada Militar foi chamada e dois laudos foram realizados. A veterinária Salete Arnoud Grande confirmou que o animal não tinha condições mínimas para sobreviver e, de maneira especialmente perversa, estava presa por uma corda. O laudo indicou que a cachorrinha provavelmente estava sem alimentação por mais de um mês, considerando a ausência de fezes próximas ao cadáver.

O tutor dos animais, um militar de 19 anos, alegou que, ocupado com o trabalho, não percebeu a falta de comida. A veterinária Dileusa Alves apresentou outro laudo, desta vez de maus-tratos ao cão resgatado, que agora está disponível para adoção (55 9 9978-7919).

Maus-tratos: cachorrinha morre por inanição e tutor alega falta de tempo em Alegrete

O militar foi encaminhado à Delegacia de Polícia, mas, após contato com a Delegada de plantão, determinou-se um registro simples. Ele será ouvido e liberado posteriormente.

Vale ressaltar que a Lei 14.064/2020 aumentou as penalidades para quem maltrata cães e gatos. Agora, quem comete esse crime pode ser punido com 2 a 5 anos de reclusão, multa e proibição da guarda. Se o crime resultar na morte do animal, a pena pode ser aumentada em até 1/3. Essa legislação alterou a Lei 9.605/98, que trata de crimes contra o meio ambiente, fauna e flora, impondo detenção de 3 meses a 1 ano e multa no caso de maus-tratos contra animais.

Por Flaviane Antolini Favero

Fonte: Alegrete Tudo