Cachorro brutalmente negligenciado passou tanta fome que esqueceu como comer

Cachorro brutalmente negligenciado passou tanta fome que esqueceu como comer
Após ser resgatado, o cachorrinho conseguiu encontrar uma nova casa cheia de amor para passar o resto de seus dias (Foto: Senior Paws Sanctuary)

Graças à uma denúncia, um cachorro negligenciado que passava fome pôde ser salvo. Uma mulher estava andando por uma rua em Tampa, Flórida, nos Estados Unidos, quando viu algo estranho na janela de uma casa. Ali, encontrou um poodle muito magro e com aspecto doente, parado em frente ao vidro.

Imediatamente, essa mulher acionou o controle animal. “Ela disse que podia dizer da rua que ele era apenas um esqueleto”, disse Debbie Goldsberry, fundadora do Senior Paws Sanctuary, Senior Paws Sanctuary, uma entidade de resgate animal, ao The Dodo.

Quando a equipe de controle animal conseguiu acessar a casa, encontraram não um, mas três cães famintos. Infelizmente, dois cães morreram logo após terem sido resgatados – e o poodle que estava parado na janela estava em estado bem grave.

Foto: Senior Paws Sanctuary
Foto: Senior Paws Sanctuary

De acordo com o abrigo, o cachorro tinha 9 anos de idade e se chamava Beni. Ele parou em um abrigo local, onde o pessoal fez de tudo para ajudá-lo. Mas Beni estava em péssimo estado. Além de estar gravemente magro, ele tinha diabetes, um tumor na pata e uma infecção na pele.

Ele não sabia mais como comer’

Como o cachorro estava muito doente, sua eutanásia já estava programada. Mas, antes disso, o abrigo local enviou um e-mail sobre Beni, que acabou na caixa de entrada de Debby. “Se um resgate não o levasse, ele não ia conseguir sair”, disse. “Então reunimos nossos voluntários, e conseguimos transporte para levá-lo duas horas para o sul, para Fort Myers”. Debby se certificou de que Beni fosse diretamente ao veterinário, mas ninguém tinha certeza se ele conseguiria sobreviver.

“Ele não sabia mais como comer“, disse Debby. “Ele punha comida na boca, mas não sabia como comê-la. Se ele a engolia, seu corpo não a processava”.

No entanto, de alguma forma, para grande surpresa de todos, Beni conseguiu. Após ser liberado da clínica veterinária, ele foi morar com Debby e seus outros 26 cães resgatados no santuário que ela gerencia. Beni ainda teve muitos dias difíceis, e a mulher teve que monitorar sua saúde de perto.

Foto: Senior Paws Sanctuary
Foto: Senior Paws Sanctuary

“Conseguimos começar a lhe dar comida, mas tivemos que ter cuidado com o quanto lhe demos porque ele vomitava”, disse ela. “Ele também recusava água. A maioria dos diabéticos quer muita água, mas Beni não queria nada”.

Felizmente, a cada dia que Beni passava no santuário, ele ficava um pouco melhor. “Acho que ele percebeu que as pessoas se preocupavam com ele. Ele começou a comer um pouquinho, começou a beber um pouquinho”. Além disso, Debby passou muito tempo segurando Beni em seus braços, o tranquilizando de que agora ele estava seguro e amado.

Foto: Senior Paws Sanctuary
Foto: Senior Paws Sanctuary

‘Fazer cada dia especial’

“Ele tinha vivido quem sabe o quê. Não consigo imaginar estar tão faminto que ele não soubesse como comer. E só de ver sua cauda abanar pela primeira vez, e vê-lo pegar um brinquedo – foi incrível”, declarou a mulher.

A saúde de Beni melhorou drasticamente – sua diabetes se estabilizou, e uma nova e linda pelagem cresceu. Tão importante quanto, ele também ganhou confiança. Mas, durante o procedimento de retirada do tumor da pata de Beni, uma descoberta de partir o coração: o cachorro tinha câncer terminal.

Foto: Senior Paws Sanctuary
Foto: Senior Paws Sanctuary

De acordo com os exames, dos cinco estágios do câncer, Beni estava no três. Ainda assim, isso não impede o cachorro de viver sua nova melhor vida. Debby também garantiu que ele será feliz para o resto de sua vida.

“Tentamos tornar cada dia especial para nossa pequena ‘bênção’ e ele será cuidado e amado para o resto de sua vida”, finalizou.

Por Evelyn Assis

Fonte: The Dodo via Tribuna de Jundiaí

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.