Cachorro com deficiência é adotado após quatro anos de espera em Dois Irmãos, RS

Cachorro com deficiência é adotado após quatro anos de espera em Dois Irmãos, RS
Becker foi adotado após ser abandonado em junho de 2016 — Foto: Arquivo Pessoal

Quatro anos separam dois momentos marcantes na vida do cachorro Becker de Dois Irmãos, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Em 2016, após ser atropelado, ainda foi jogado em um arroio que cruza a cidade. Encontrado por uma associação que cuida de animais abandonados, o cãozinho recebeu cuidados, mas nunca recuperou o movimento das patas traseiras.

Este ano, Becker conquistou um casal de Lindolfo Collor e ele ganhou um novo lar.

“Estamos realizados com a adoção, pois era um sonho meu ter animaizinhos especiais, aqueles que a sociedade ignora. Hoje, meu coração está em paz”, conta a adotante Lisete Holdefer.


Todo o processo de adoção levou tempo e foi intermediado pela equipe de voluntários da associação Amigos dos Animais de Dois Irmãos.

“Quando vimos o vídeo do Becker chorei rios. Não saia da minha cabeça aquele olhar de tristeza. Então começamos a planejar como seria com ele aqui em casa e três meses depois resolvemos adotá-lo”, lembra Lisete.

O vídeo foi feito pela voluntária da associação Katlen Kaefer após a grande repercussão do cãozinho Tintim, abandonado duas vezes pelos donos e que também é deficiente. Assista:

“Desde que iniciei meu trabalho de voluntária meu sonho era dar a oportunidade ao Becker. Essa foi minha missão, adotar esse grandão. Agora, consegui”, comemora Katlen.

“Adotaria ele mil vezes se preciso fosse”, completa Lisete.

Além do novo lar, Becker também ganhou novos irmãos. O casal já cuidava de outros 10 animais e a integração não poderia ser melhor.

“Eles se relacionam muito bem, são todos amigos. O Becker até se esforça pra caminhar, pois quer acompanhá-los”, conta Lisete.

Becker em sua cadeira adaptada para passeios — Foto: Arquivo pessoal
Becker em sua cadeira adaptada para passeios — Foto: Arquivo pessoal

Lisete e o marido adaptaram uma sala para poder reunir todos os animais nas atividades de lazer da família.

“Nós instalamos uma televisão e fazemos nossas refeições com eles. É muito gratificante, não tem preço”.

Apesar de ter uma cadeira adaptada, o cão só a usa para passeios. Isso porque Becker precisa se esforçar muito para fazer ela andar e acaba ficando cansado. Dentro de casa, ele usa um adereço especial para evitar machucados.

“Compramos um saco pra ele se arrastar na grama e na calçada. Ele estava todo machucadinho de se arrastar”, explica a adotante.

A associação que resgatou e cuidou do Becker tem quase 100 animais disponíveis para adoção. O local trabalha atualmente em um projeto de castração, para evitar que aumente o número de animais abandonados na cidade.

Becker com a adotante Lisete em nova casa na cidade de Lindolfo Collor — Foto: Arquivo Pessoal
Becker com a adotante Lisete em nova casa na cidade de Lindolfo Collor — Foto: Arquivo Pessoal

Por Fabiana Bonugli, G1 RS

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.