Cachorro ‘comido vivo’ por larvas em SP é adotado após ter pata amputada

Cachorro ‘comido vivo’ por larvas em SP é adotado após ter pata amputada
Cachorro foi resgatado nas ruas de Registro (SP) após ser visto cheio de larvas — Foto: Márcia Colla

Um cachorro resgatado em Registro, no interior de São Paulo, teve a pata amputada após ser quase ‘comido vivo’ por larvas. Durante o tratamento, que durou cerca de dois meses, o animal foi batizado como ‘Valente’, nome que demonstra a superação e coragem do animal. Em conversa com o G1, a protetora que está com Valente contou a história do resgate até a adoção.

Segundo a protetora Márcia Colla, o cachorro foi encontrado por protetores no bairro Jardim das Palmeiras. Ele foi resgatado pelos voluntários com focos graves de ‘bicheira’ na orelha e, também, na pata traseira.

“Ele estava em um estado de sofrimento na rua, quase morrendo. Cachorro quando chega nesse estado, cheio de bicheira, é complicado. As pessoas não pegam, ficam com medo, isso choca. Cãezinhos com bicheiras graves são rotineiramente chutados e expulsos de todos os lugares”, explica.

Valente recebeu os cuidados necessários em uma clínica veterinária em Registro (SP) — Foto: Márcia Colla
Valente recebeu os cuidados necessários em uma clínica veterinária em Registro (SP) — Foto: Márcia Colla

Após o resgate, o cachorrinho ‘Valente’ foi tratado, castrado mas, infelizmente, não foi possível salvar a pata que estava sendo consumida pelas larvas e, com isso, foi necessária a amputação de um dos membros traseiros.

“Ele nem sente falta da pata. Corre bastante e é um cãozinho bem alegre. Ele só tem um pouco de medo das pessoas pois deve ter sofrido muito nas ruas, mas com o tempo ele pega confiança”, disse a protetora.

Todo o tratamento foi custeado pelos protetores e, agora, o animal está recuperado. Valente continua na casa de Márcia, aguardando o fim da quarentena para poder ir para um novo lar. A protetora disse ao G1 que Valente já tem adoção certa.

“Quem puder contribuir para pagar o tratamento do Valente, pode doar qualquer quantia em dinheiro diretamente na Clínica Vether [em Registro], em nome de Valente. Valente ganhou uma nova vida graças ao carinho e sensibilidade de todos.”

Após recuperação, Valente aguarda o fim da pandemia para ir para um novo lar — Foto: Márcia Colla
Após recuperação, Valente aguarda o fim da pandemia para ir para um novo lar — Foto: Márcia Colla
A larva

Especialistas contam que as larvas que estavam no corpo de Valente são comuns nos animais. Quando o animal que está na rua é ferido e ninguém cuida, rapidamente ele pode ser consumido pelas larvas. A doença é conhecida como ‘bicheira’. A mosca coloca um ovo, nascem as larvas e é muito rápida a multiplicação.

Sem os cuidados necessários, o animal pode morrer pois, em menos de 15 dias, a ‘bicheira’ chega ao cérebro. A doença costuma ser tratada com remédios e, se for algo mais grave, com antibiótico.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.