Cachorro é baleado na boca por morador de São José do Calçado, ES

Cachorro é baleado na boca por morador de São José do Calçado, ES
Divulgação

Um cachorro levou um tiro na boca nesta quinta-feira (27), na comunidade do Morro do Grilo, no bairro João Marcelino de Freitas, em São José do Calçado. O cãozinho vira-lata, conhecido como Bidu, foi socorrido por integrantes da ONG Patinhas em Perigo e policiais militares.

O animal foi encontrado amarrado em uma corrente, em posse de um morador, que confirmou que Bidu havia sido baleado. A bala, aparentando ser de um revólver calibre 32, perfurou a boca e a língua e alojou-se por baixo da boca do animal, atrapalhando a respiração.

Na manhã desta sexta-feira (28), Bidu foi encaminhado para uma clínica veterin

ária no município fluminense de Bom Jesus do Itabapoana, onde passou por uma cirurgia.

Segundo informações das Polícias Civil e Militar, o nome do suspeito de efetuar o disparo já foi identificado. O inquérito será instaurado e ele responderá por maus-tratos.

Caso seja julgado culpado, a pena é de um a quatro anos de prisão, além de multa.

Outros casos

O segurança de uma loja Carrefour foi responsável pela agressão que resultou na morte do cãozinho ‘Manchinha’, no dia 28 de novembro, em Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo. O inquérito foi encerrado no último dia 18, pela Delegacia do Meio Ambiente do município.

O segurança, que não teve o nome divulgado, deve responder em liberdade pelo crime de abuso e maus-tratos a animais, que é considerado de menor potencial ofensivo, ou seja, mesmo que seja condenado, ele não irá para a prisão. Conforme a SSP, mais de 20 pessoas foram ouvidas durante a investigação e “foi constatada como causa da morte hemorragia provocada pela lesão sofrida”.

Ao ser ouvido, o segurança admitiu que usou uma barra metálica contra o animal, porém negou a intenção de ferir ou matar o cachorro. Relatório do Centro de Zoonoses de Osasco apontou o sangramento como causa da morte. O corpo do animal foi cremado.

A morte do cãozinho gerou uma onda de protestos contra o Carrefour. No dia 8 de dezembro, uma manifestação levou cerca de 2 mil pessoas à loja, que acabou fechando durante o protesto. O animal foi abandonado pelo dono e vivia há algum tempo no local, onde era alimentado pelos clientes e funcionários. Dócil, o cãozinho perambulava pelos corredores e, segundo os relatos, “não incomodava ninguém”.

Ambrosio

Em julho de 2016 um caso semelhante aconteceu em Cachoeiro de Itapemirim e ganhou repercussão mundial após ser noticiado no Aquinoticias.com.

O cachorro Carlos Ambrósio foi agredido por uma idosa de 70 anos, no meio da rua, no bairro Boa Vista, em Cachoeiro de Itapemirim. A agressão foi registrada por um vizinho, que compartilhou o vídeo nas redes sociais.

A idosa chegou a ser levada até a Delegacia do município, onde assinou um Termo Circunstanciado (TC) e foi liberada. O animal foi adotado por uma família e foi batizado de Ambrósio pelos profissionais que o atenderam. O nome foi uma homenagem a um homem que doou o dinheiro para fazer todos os exames no animal.

Por Martim Barbosa / Colaboração: Ana Glaucia Chuina

Fonte: Aqui Notícias

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.