Cachorro é deixado em carro e levanta debate sobre cuidados com animais em veículos, em São José dos Campos, SP

Cachorro é deixado em carro e levanta debate sobre cuidados com animais em veículos, em São José dos Campos, SP

Uma situação em um estacionamento de um supermercado no Jardim Aquarius, zona oeste de São José dos Campos, expôs a negligência de alguns tutores de animais de estimação. Por volta das 12h30, uma mulher foi fazer compra no mesmo local e se deparou com um cachorro preso dentro de um carro no estacionamento de um centro de compras. Preocupada com o bem-estar do animal, ela pediu ajuda à administração do estabelecimento, mas não recebeu a assistência necessária.

Esse tipo de situação, infelizmente, não é incomum. Casos de cães retirados de veículos em condições extremas, muitas vezes debilitados ou mortos, são noticiados frequentemente, destacando a importância de conscientização sobre os riscos de deixar animais em carros.

Perigos do Superaquecimento

Deixar um cão dentro de um carro pode ser fatal devido ao superaquecimento. Mesmo em dias moderadamente quentes, a temperatura dentro de um veículo pode aumentar rapidamente. De acordo com especialistas, em um dia de 25ºC, a temperatura interna de um carro pode chegar a 39ºC em poucos minutos, transformando-o em uma armadilha mortal.

Um estudo de 2018 da Universidade do Estado do Arizona revelou que o painel de um carro estacionado ao sol pode atingir até 70ºC em apenas uma hora. Esse calor extremo pode causar lesões por calor ou até mesmo morte por hipertermia, tanto em crianças quanto em animais.

Riscos para os Cães

Especialistas como Alexandre Rossi, conhecido como Dr. Pet, alertam sobre os perigos específicos para cães. “Mesmo com uma janela levemente aberta, a falta de ventilação adequada pode aumentar rapidamente a temperatura corporal do animal. Isso pode resultar em vômitos, salivação excessiva, respiração ofegante, tremores musculares, diarreia e até perda de consciência e morte,” explica Rossi.

Os cães têm um sistema de resfriamento menos eficiente que os humanos, dependendo principalmente da respiração ofegante para dissipar o calor. Isso os torna particularmente vulneráveis em ambientes quentes, especialmente os cães de focinho curto, como o Spitz, que têm ainda mais dificuldade para respirar e regular a temperatura corporal.

Legislação e Responsabilidade

No Brasil, a legislação varia de cidade para cidade, mas a crueldade contra animais é punível por lei. O Artigo 32 da Lei 9.605/1998 prevê detenção e multa para quem praticar atos de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais, incluindo mantê-los em condições que impeçam a respiração adequada ou os privem de ar e luz.

Precauções e Alternativas

Para evitar tais situações, é fundamental que os tutores tomem precauções. Se for absolutamente necessário deixar o cão no carro por um curto período, algumas medidas de segurança incluem estacionar em áreas sombreadas, deixar o ar-condicionado ligado, abrir as janelas para ventilação e colocar um aviso no carro com informações de contato.

No entanto, o ideal é evitar ao máximo deixar os animais sozinhos em veículos, mesmo que temporariamente. A segurança e o bem-estar dos animais de estimação devem ser sempre uma prioridade.

O sptiz deixado no carro neste domingo ficou bem. A tutora o retirou do veículo e levou-o a um pet shop nas proximidades.

Fonte: Life Informa