Cachorro é resgatado após ser violentamente agredido em Caetité, BA; animal não sobrevive

Cachorro é resgatado após ser violentamente agredido em Caetité, BA; animal não sobrevive

Um cena de maus tratos a animais foi registrada pelo internauta Glauber Dumont. No vídeo, compartilhado no Facebook e Instagran, Glauber resgata um cachorro que foi agredido violentamente e apresentava um grande ferimento na região da cabeça, até com perca de couro. As imagens são fortes e chocam pela violência que o animal foi submetido.

Revoltado, Glauber relata que a duas horas estava tentava resgatar o animal e no vídeo ele deixa um aviso ao covarde agressor. “Vai da delegacia, porque eu vou matar o fil… da P… de porrada…”

Após conseguir amarrar o animal, Dumont recebeu apoio de uma casa Pet e populares da cidade, que deram tratamento especializado ao cachorro. Devido a gravidade dos ferimentos o indefeso animal teve que ser sacrificado, pois não resistiria aos traumas sofridos.

O vídeo viralizou na rede e já foi assistido milhares de vezes e com centenas de comentários.

Maus-tratos a animais

Maltratar é crime pela lei federal e está previsto na constituição. A lei determina que pessoas físicas ou jurídicas que lesam o meio ambiente devem sofrer sanções penais e administrativas. A Constituição determina o dever do Poder Público de proteger a fauna e de coibir os atos que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

Na lei está escrito exatamente assim: “Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”. A punição para maus-tratos a animais é de três meses a um ano de prisão e multa. Em caso de morte do animal, a punição pode ser aumentada de um sexto a um terço.

Como a pena baixa, não existe em casos como esse a privação de liberdade. São impostas penas alternativas, como por exemplo: multa, prestação de serviços à comunidade, dentre outras.

Fonte: Radar 030

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.