Cachorro é vítima de maus-tratos em Mogi Guaçu, SP

Cachorro é vítima de maus-tratos em Mogi Guaçu, SP

Uma comerciante de 23 anos passava por uma rua do Jardim Santa Helena, na tarde de quinta-feira (3), quando uma cena a chocou: um cachorro que se arrastava era empurrado com um pedaço de madeira por um casal idoso. Imediatamente foi falar com o casal. “Percebi que ele estava doente, ele se debatia e ofereci para colocar o animal no meu carro e levar até um veterinário, quando o homem respondeu que não iria e que daria um ‘remedinho’ para matar ele (cão). Vi na casa mais dois animais, um todo cheio de sarna. Eu não aguentei e briguei e o homem entrou no carro e foi embora”, disse Bianca Guidini que atua na área de pet shop.

Indignada, Bianca pediu ajuda da Polícia Militar e do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) para o registro de um Boletim de Ocorrência de maus-tratos e a retirada do animal da casa. Após a discussão, um familiar da tutora do cachorro apareceu e autorizou a equipe do CCZ a resgatar o animal. Segundo o comerciante, a prima é interditada.

sp_mogiguacu_cachorro_vitima_maus-tratos2

Assim que chegou ao CCZ, o animal, um pastor alemão, tomou um banho por estar com o pelo cheio de lama. A bióloga e coordenadora do CCZ, Silvana Munhoz Bueno, disse que o animal permanecerá de ‘quarentena’ em observação por estar com suspeita de erliquiose (doença do carrapato) ou cinomose (vírus que afeta o sistema nervoso).

Em estágios avançados de cinomose, o animal precisa ser sacrificado.

sp_mogiguacu_cachorro_vitima_maus-tratos3

Envenenamento

Indignada também está a dona de casa Denilsa Aparecida Salgado, do Jardim São Pedro. No mês passado, ela teve uma gata envenenada. E na semana passada, outra gata também morreu após ingerir veneno. O animal morreu após agonizar três dias, com uma ‘pelota’ na barriga. “Ela não comia, não bebia água e eu estava esperando receber para levar ao veterinário”.

Sem ter a quem recorrer, a dona de casa se desespera porque esse é o quarto gato que morre. A família ficou apenas com um gato em casa.  A outra gata tinha a boca ‘esbranquiçada’. Denilsa tem certeza que os animais foram envenenados. Ela disse que reside no bairro há oito meses e depois que os animais começaram a morrer é que alguns vizinhos comentaram que também já haviam perdido gatos da mesma forma.

Por Karina de Araujo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.