Cachorro preso em carro mobiliza secretaria e polícia em Petrópolis, RJ

Cachorro preso em carro mobiliza secretaria e polícia em Petrópolis, RJ

Cachorro ficou preso por mais de cinco horas dentro do veículo. Tutora estava em audiência no Fórum; ela vai responder por maus-tratos.

RJ rj cachorro carro 000A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Petrópolis, Região Serrana do Rio, e a Polícia Civil realizaram uma ação conjunta nesta quarta-feira (11) para retirar um cachorro que ficou por quase cinco horas dentro de um carro estacionado na Avenida Barão do Rio Branco. A tutora tinha ido para uma audiência, no Fórum, e parou o carro em frente ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Como a janela ficou com uma fresta para que o cachorro respirasse, policiais e agentes do Núcleo de Bem Estar Animal, vinculada à Secretaria de Meio Ambiente, conseguiram retirar o animal sem danificar o automóvel. A dona foi autuada por maus-tratos a animais e a ocorrência foi encaminhada ao Juizado Especial Criminal.

O caso foi denunciado por uma médica do Samu, que telefonou para a 105ª Delegacia de Polícia (Retiro) e para o Núcleo de Bem Estar animal por volta das 15h. Ela afirmou que o cachorro, um Yorkshire Terrier, estava no local desde 10h. A Polícia Civil buscou, pela placa do carro, o telefone da proprietária, mas ninguém atendeu às ligações. Depois da ação, realizada logo após a ligação, um aviso foi colocado no carro indicando que o cachorro foi levado para a Delegacia. A tutora se apresentou às 16h e argumentou que seria pior se o cachorro ficasse em casa.

“O cachorro estava bem cuidado, bem tratado, mas isso não justifica deixar o animal dentro do carro, debaixo do sol. Ele poderia até vir a óbito, por ficar desidratado. Ele não tinha como urinar, estava assustado, com medo, embaixo do banco. É importante que as pessoas tenham conhecimento desse caso para não cometer o mesmo erro”, disse a chefe do Núcleo de Bem Estar Animal, Rosana Portugal.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.