Cachorro que foi resgatado após ser jogado de viaduto morre em Cuiabá, MT

Cachorro que foi resgatado após ser jogado de viaduto morre em Cuiabá, MT

Fred, como foi chamado, morreu durante a realização de um exame. Ele foi jogado do viaduto da Avenida Tenente Coronel Duarte há quatro dias.

Por André Souza

Um cachorro de aproximadamente três anos morreu nesta terça-feira (27) após ser jogado de um viaduto, em Cuiabá. O animal foi resgatado pelo estudante Geraldo Bomfim e a namorada dele na madrugada da sexta-feira (24). O cachorro fraturou as patas traseira e passaria por uma cirurgia. Ele ficou internado em uma clínica particular e morreu durante a realização de um exame no hospital veterinário de uma universidade na capital.

Fred, como foi chamado por Geraldo, deveria passar por uma cirurgia na próxima terça-feira (28). Para o procedimento, no entanto, deveria ser submetido antes a uma mielografia. No exame, os médicos veterinários injetam um líquido na medula para obter contraste e ter ideia do grau da fatura.

“As veterinárias que o atendeu nos alertou sobre o risco do exame. Nós optamos por fazer porque queríamos vê-lo bem”, disse Geraldo.

Ele e a namorada resgataram o animal na madrugada de sexta. Os dois passavam pela Avenida Tenente Coronel Duarte quando avistaram o animal na calçada. Segundo eles, alguns garis que estavam no local, afirmaram que alguém jogou o cachorro de cima do viaduto e foi embora. “Ele estava com um corte no abdômen e chorando muito de dor. Por ter quebrado as patas traseiras ele tentava andar só com as duas da frente”, disse.

MT cuiaba cao viaduto fred2 1700

Segundo Geraldo, ele e a namorada resgataram o animal e o internou em uma clínica particular. Como ele precisava ser operado foi transferido para o hospital da universidade.

O estudante chegou a fazer uma campanha na internet para custear o tratamento de Fred. Ao todo, ele gastou cerca de R$ 1,5 mil nas despesas médicas de Fred. “O importante é tentar ajudar. O que eu não entendo é como alguém tem coragem de fazer isso com um ser que é indefeso”, declarou.

Ainda segundo Geraldo, o cachorro estava melhorando e tinha chances de resgatar os movimentos das patas traseiras.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.