Cachorro que usava coleira de choque para ser adestrado passa por perícia, em Goiânia, GO

Cachorro que usava coleira de choque para ser adestrado passa por perícia, em Goiânia, GO
Cachorro que usava coleira de choque para ser adestrado passa por perícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um cachorro que usava coleira de choque para ser adestrado passa por perícia nesta sexta-feira (7). Os exames acontecem por causa de um vídeo que circulou nas redes sociais, onde uma mulher gravou dois rapazes caminhando na praça da T-25, no setor Bueno, em Goiânia, adestrando o cão com a coleira de choque. (Assista ao vídeo no final da reportagem).

A pessoa que gravou o vídeo acusou os dois jovens de torturarem o animal por meio do dispositivo. A perícia foi feita com o colar no animal para verificar a potência do objeto. Já o cachorro, apesar das investigações, permanece com os tutores.

“A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema) investiga se o uso deste tipo de colar eletrônico causa ou não maus-tratos aos animais. O inquérito policial está em andamento e agora a delegacia especializada aguarda a conclusão do laudo pericial, que foi feito por um médico veterinário, bem como informações do Conselho Regional de Medicina Veterinária sobre o tema em questão”, explica a delegada Lara Menezes Melo Oliveira.

Lei

No vídeo é citado o fato da coleira ser proibida. Porém, Pauliane Rodrigues, advogada especializada nos direitos dos animais diz que, apesar de ser algo que causa dor no animal, a coleira não é proibida por lei. A defensora diz que há um projeto em tramitação para proibir o uso da coleira em todo território nacional, mas este ainda não foi aprovado.

Ela disse que havia recebido o vídeo em questão e que acredita que tudo que cause dor nos bichos, deve ser considerado maus-tratos “No meu entendimento, se causa desconforto e dor nos animais é uma forma de maus-tratos, sendo considera como crime”, desabafa.

Relembre

No dia 29 de abril deste ano, uma moradora, que preferiu não ter a identidade revelada, indignou-se ao ver um cachorro sendo adestrado com uma coleira de choque na praça T-25, no setor Bueno, em Goiânia.

Ela disse que, há um mês, passeava com o namorado pela praça quando ela percebeu que o animal parava no chão e latia com frequência. Como ambos estavam sem celular, a cena não foi filmada. Ela disse ainda que foi várias vezes no local para filmar a situação, em todas o cão estava sem a coleira de choque. Ela conta ainda que se sentiu aliviada ao ver que o animal não estava sendo mais eletrocutado.

Mas, na quinta-feira (29), a cena voltou a se repetir. Ela conta que ouviu os gritos de um cachorro, mas não imaginou que tratava-se do caso anterior. Entretanto, ao chegar perto do dono, do animal e do adestrador, ela percebeu que era o cachorro era o mesmo de um mês atrás.

“Depois que eu filmei, outras pessoas foram atrás do instrutor para saber mais sobre a coleira de choque. Ele disse aos curiosos a eles que maneira de adestrar era normal, que eu estava exagerando. Eu passei por ele e disse que não precisava de fazer aquilo com o cachorro. Porém, ele disse para eu cuidar dos meus porque eles eram mal-educados”, relata a moradora.

Ela contou que conversou com as pessoas que estavam na praça, mas elas disseram para deixar o caso ‘para lá’. Diante da negativa, a mulher compartilhou o vídeo nas redes sociais. O caso ganhou proporção e 19 mil visualizações em um dia no Twitter.

Na publicação, várias pessoas marcaram a Luísa Mel, dona de um instituto que resgata animais em situação de abandono e maus-tratos. Nos comentários, há também quem elogia a atitude da mulher. “Moça, parabéns pela coragem. De verdade, arrasou demais!”, disse um internauta.

“Que pessoas ruins”, disse outro.

O Mais Goiás tentou localizar o dono do cachorro e o adestrador, mas sem sucesso. Entretanto, o espaço continua aberto para manifestações.

Assista ao vídeo: 

Por Laylla Alves

Fonte: Mais Goiás

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.