Cachorro salvo à beira da morte agradece socorristas com vários ‘presentes’

Cachorro salvo à beira da morte agradece socorristas com vários ‘presentes’
Cuache demonstrou sua gratidão levando o lixo que encontra nas ruas para as pessoas que salvaram sua vida (Foto: Facebook/ ONG Dejando Huellitas)

A responsabilidade de criar um animal de estimação é grande, e quando assumimos a adoção de um, devemos fazer o nosso melhor para cuidar deles. Entretanto, ainda há pessoas que não entendem isso e, por alguma razão, decidem abandoná-las.

A responsabilidade de criar um animal de estimação é grande, e quando assumimos a adoção de um, devemos fazer o nosso melhor para cuidar deles. Entretanto, ainda há pessoas que não entendem isso e, por alguma razão, decidem abandoná-las.

A vida do cão não foi fácil desde o início. Sua mãe, uma Rottweiler de raça pura, nunca havia sido operada ou vacinada, e os responsáveis a deixavam do lado de fora da casa dia todo. Ela acabou engravidando de um vira-lata. No entanto, essa situação incomodou seus tutores, então eles decidiram amarrá-la no telhado até o nascimento dos filhotes.

Dessa ninhada, nasceu Cuache e logo depois, sua mãe morreu devido ao número de doenças de que ela sofria, das quais nunca cuidaram. Infelizmente, esse ciclo de maus-tratos se repetiu com Cuache, amarrado logo após seu nascimento.

9 anos até seu resgate

Durante anos o cachorro viveu nestas condições e se tornou um cão icônico na cidade de Tampico, México. Todos pensavam que ele era apenas mais um perdido, mas não, ele tinha uma família. A certa altura, Cuache teve febre durante todo o dia e não conseguiu se mover. Ele tinha sérios problemas renais e vermes que chegaram até o coração.

Vendo o sofrimento do cachorro, socorristas do abrigo Dejando Huella e um morador do bairro o levaram diretamente ao veterinário. No local, o cachorro recebeu os cuidados médicos necessários. Embora tenham tentado colocá-lo para adoção, Cuache agora é um cão livre e finalmente vive sob os cuidados do abrigo, mas andando pelas ruas como se acostumou.

Foto: Facebook/ ONG Dejando Huellitas
Foto: Facebook/ ONG Dejando Huellitas

Agora com 12 anos de idade, ele é o guardião de seu setor no abrigo, e cuida dos animais que chegam precisando de ajuda. Ele recebe todas as suas refeições, dorme o quanto precisa e sai quando quer.

Seu costume mais adorável é que, como forma de agradecer as pessoas que salvaram sua vida, o cachorro leva o lixo que encontra na rua direto para seus cuidadores, como presentes. Eles ficam emocionados cada vez que ele lhe traz algo e Cuache sente uma sensação de realização cada vez que o faz.

Foto: Facebook/ ONG Dejando Huellitas
Foto: Facebook/ ONG Dejando Huellitas

Por Evelyn Assis

Fonte: Tribuna de Jundiaí