Cachorro vítima de maus-tratos, Campeão perde a batalha pela vida

Cachorro vítima de maus-tratos, Campeão perde a batalha pela vida
Ainda com vida, Campeão foi levado para o veterinário, mas acabou morrendo em função da gravidade das agressões a pauladas (foto: Amélia Gomes/Divulgação)

O cachorro Campeão, vítima de maus-tratos em Santa Bárbara do Leste (MG), morreu na noite de segunda-feira (30/8) no CASU – Hospital Veterinário Joaquim Felício, de Caratinga. Campeão recebeu esse nome de pessoas que se comoveram com o seu infortúnio e acreditavam que ele seria capaz de vencer a batalha pela vida. Mas não foi possível.

O drama de Campeão começou no sábado, quando ele foi encontrado em uma lavoura de café, agonizando, depois de receber vários golpes na cabeça, dados supostamente pelo seu tutor, com um pedaço de pau.

Na luta pela vida, Campeão contou com a proteção de duas pessoas. A primeira foi o vereador William Faria, que ao ser avisado que havia um cachorro agonizando em uma plantação de café, buscou o animal e levou para a sua casa, prestando os primeiros socorros.

A segunda foi o socorrista Erenaldo Ferreira, que levou o cachorro para Caratinga, no carro do vereador. Campeão deu entrada às 23h de sábado (28/8) no CASU – Hospital Veterinário, onde a equipe médica constatou que as agressões sofridas haviam causado diversas fraturas pelo corpo do animal, a mais grave, no crânio.

Mesmo com a comoção que envolveu as pessoas nas redes sociais e as energias positivas enviadas por todos para que Campeão se recuperasse, ele morreu na noite de segunda-feira.

Agora, a Polícia Militar está investigando a autoria do crime contra Campeão. O sargento Adelson, da Polícia Ambiental, pede que as pessoas denunciem o agressor.

O tutor de Campeão, suspeito de ter agredido o cachorro, negou ter praticado os maus-tratos. “Ele nos disse que foi com seus cachorros até à lavoura de café para fazer um trabalho e, na volta para casa, esse animal agredido ficou para trás”, afirmou o sargento, que prossegue, junto com outros militares, na investigação do crime.

Fonte: UAI

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.