Cachorro vítima de maus-tratos é adotado por bombeiros e vira mascote do quartel

Cachorro vítima de maus-tratos é adotado por bombeiros e vira mascote do quartel
Caramelo foi vítima de maus-tratos quando ainda era filhote em Catanduva. (Foto: Divulgação)

O Corpo de Bombeiros de Catanduva, interior de São Paulo, resolveu transformar o quartel em lar definitivo de um cachorro vítima de maus-tratos. Chamado de Caramelo, o novo mascote foi adotado e levado para ficar com a corporação.

Segundo a veterinária do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Natália Amaral Ambrósio, Caramelo, a mãe e os irmãos foram resgatados no final do ano passado. Na época, os cães ainda viviam em uma casa, onde foram vítimas de maus-tratos. 

A Polícia Militar recebeu denúncia sobre a situação e compareceu ao imóvel. Os animais, então, foram retirados do local.

“Os policiais entraram em contato comigo. Os irmãos do Caramelo não resistiram e acabaram morrendo. Mas ele sobreviveu e ficou conosco durante um tempo”, conta Natália Ambrósio.

Depois de receber atendimento veterinário, Caramelo participou de uma feira de adoção realizada por uma Organização Não Governamental (ONG).

Apesar de dócil, a ponto de dormir o evento inteiro, o cão foi o único que não recebeu um novo lar na ocasião. Porém, voluntárias publicaram fotos do animal nas redes sociais no dia seguinte, e um casal decidiu adotá-lo.

“Ele ficou uma semana ou menos com o casal. Não sei te dizer o motivo exato. Parece que ele cavou um buraco no quintal. O casal não quis mais o cachorro”, afirma Natália.

Mascote dos bombeiros

A história de Caramelo começou a ganhar um novo rumo após equipes do Corpo de Bombeiros levarem um cachorro atropelado para receber atendimento no Centro de Controle de Zoonoses de Catanduva e perguntarem se não havia um cão disponível para adoção.

“Os bombeiros nos ajudam muito. Contei que o Caramelo estava precisando de uma casa. Eles foram vê-lo no hotel e decidiram levá-lo para o quartel do Parque Iracema”, diz a veterinária.

“O Caramelo nunca mais vai ficar sozinho e terá companhia durante 24 horas por dia. Ele é um cachorro muito ativo. Portanto, achei a cara da corporação, complementa.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o Caramelo não foi o único mascote a ser adotado pela corporação. Antigamente, um outro cão ficava no quartel, mas o animal morreu.

Antes de dar um lar definitivo para Caramelo, os bombeiros pediram autorização do comando para poder adotá-lo e receberam “sinal verde”. O cachorro, então, foi levado ao quartel.

Atualmente, o novo mascote vive solto e faz companhia para todos os bombeiros que atuam no prédio. Além de receber carinho, o animal é alimentado diariamente.

Fonte: Tribuna de Jundiaí (com informações do G1)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.