Cachorros em situação de maus-tratos são flagrados durante fiscalização em Capivari de Baixo, SC

Cachorros em situação de maus-tratos são flagrados durante fiscalização em Capivari de Baixo, SC

A prefeitura de Capivari de Baixo intensificou a fiscalização contra o crime de maus-tratos a animais. Membros do Núcleo do Bem-Estar Animal e da Guarda Municipal estiveram em sete locais e, segundo um integrante da força-tarefa, Rodrigo Dandolini, em todos os pontos foi constatado o crime.

“Doze cachorros sofriam maus-tratos. Neste primeiro momento estamos fazendo uma conscientização. Já alertamos que seguiremos os controles nesses pontos e em novos também. Não vamos tolerar este tipo de situação em pleno ano de 2022”, alerta Dandolini.

Lei

A lei federal 14.064/2020, que modifica a conhecida lei 9.605/1998, aumentou a pena para quem maltratar cães e gatos. Quem cometer esse crime pode ser punido com dois a cinco anos de reclusão, multa e proibição da guarda. Caso o crime resulte na morte do animal, a pena pode ser aumentada em até 1/3.

Além desta lei nacional, crimes cometidos contra animais são tratados com mais rigidez em Santa Catarina desde o ano passado. No dia 17 de maio, o governador Carlos Moisés sancionou a lei 18.116/2021, que atualiza o Código Estadual de Proteção aos Animais (lei 12.854, de 2003).

No documento, foram incluídos abandono, rinhas e zoofilia como práticas sujeitas a penalidades administrativas. Também houve alteração no valor das multas, que podem chegar a R$ 20 mil para quem maltratar animais.

Segundo Rodrigo, uma lei municipal deverá ser criada para detalhar as penalidades aos proprietários e/ou tutores desses animais, principalmente dos domésticos (cães e gatos), quando fica mais fácil a identificação do(s) autor(es).

Denúncias

Qualquer denúncia pode ser feita pelo telefone (48) 3623-4002, ramal 28, Núcleo do Bem-Estar Animal, ou presencialmente na rua Tarcísio Vilela, 583, Centro, de segunda a sexta, das 7h às 13h, Capivari de Baixo.

Fonte: Sul Agora

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.