Cachorros explorados para guarda sofrem maus-tratos em presídio de Sergipe

Com fome e com sede, caso dos cachorros do Compajaf que são submetidos a maus tratos vai parar na justiça. 

Por Munir Darrage

Animais que ‘trabalham’ no Compajaf estariam sendo submetidos a maus tratos segundo denuncias. Cachorros estariam passando mais de 12 horas sem beber água. A Lei que protege os animais parece que não chegou a Sergipe.

Os cachorros que auxiliam na segurança do Complexo Penitenciário Jacinto Filho (Compajaf) no bairro Santa Maria em Aracaju, estão sendo vitimas de maus-tratos, segundo denuncias feitas por um (a) policial militar que participou da segurança das ultimas duas rebeliões no presídio.

No inicio da tarde deste domingo, um (a) policial militar (isso para preservar a identidade da denuncia) disse por telefone à reportagem do FAXAJU que os cachorros que auxiliam na segurança do presídio sofrem maus-tratos. Segundo a denuncia, na primeira rebelião que houve no Compajaf, dois animais foram mortos e na ultima rebelião, um animal foi morto e um outro ferido a golpes de arma artenal produzida pelos detentos.

O que chamou a atenção na denuncia foi o fato de que os animais foram colocados para fazer a segurança durante todo o dia e só foram conseguir ter acesso para beber água, após um (a) militar tomar conhecimento do fato e providenciar para que os animais saciassem sua sede. ao chegar ao local. foi constatado que os cahorros estavam sedentetos.

Como na rebelião anterior houve a morte de dois cachorros esse (a) policial militar resolveu fazer uma representação junto á justiça para cobrar providencias. Por telefone foi dito que “na primeira rebelião dois animais morreram para proteger gente de bem que fazia a segurança do presídio. Desta vez, um doberman e um pastor alemão foram feridos por chuxo e o animal estava morrendo. Eu providencie para que ele fosse levado a uma clinica e graças a Deus foi salvo. Uma babarie”, conta a pessoa na denuncia.

Esses fatos foram levantados e já estão sendo encaminhados através de denunias para os órgãos competentes já que na ultima rebelião, os animais (cachorros) só conseguiram beber água no final da tarde, quando uma oficial da PM foi informada do fato e de imediato se prontificou a saciar a sede de quem trabalhou mais de 24 horas para proteger a vida de trabalhadores.

Ainda segundo a denuncia, esses animais estão sendo submetidos a “trabalhar” mais de 12 horas por dia sem alimentação. “Vá ao Compajaf e veja o estado esquelético que se encontram os cachorros. Isso já foi denunciado e esperamos que tudo seja averiguado e os responsáveis sejam punidos”, cobra o denunciante que é militar.

O nome do (a) militar que passou a informação vai ser mantido em sigilo até porque nos autos que foram encaminhados à justiça a denuncia foi identificada.

Fonte: FaxAju

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.