Cadela agredida com facão pelo próprio tutor deve ficar com sequelas

Cadela agredida com facão pelo próprio tutor deve ficar com sequelas

Cortes atingiram região da coordenação motora e audição, diz veterinário. Suspeito da agressão disse que tentou amarrar a cachorra e ela o atacou.

SP pirajui agressao cadelaA cachorra Suzi, uma rottweiller de cerca de 8 anos que foi agredida na cabeça com um facão e pedaço de madeira pelo próprio tutor, deve ficar com sequelas se sobreviver aos ferimentos. Ela está internada em uma clínica veterinária em Pirajuí (SP) e passou por cirurgia na quinta-feira (11). Suzi perdeu parte do crânio e está recebendo tratamento com vitaminas e antibióticos. Segundo o médico veterinário Arthur Neme Soliva, o caso dela é grave.

“Ela vai ficar internada por pelo menos dez dias e na região que foi aferido o golpe, e que teve a perfuração, é região de coordenação motora e região de audição. Alguma lesão vai ficar, não tem como. Mas o grau disso, é de acordo com os dias. Temos que esperar”, afirma Arthur.

O caso de maus-tratos é investigado pela Polícia Civil. Policiais militares e socorristas de uma ONG protetora dos animais flagraram a situação em uma casa no distrito de Estiva após uma denúncia de que o dono de Suzy, de 47 anos, estava agredindo o animal.

O suspeito disse aos policiais que iria matar a cachorra porque ela atacou as galinhas de um vizinho. Procurado pela reportagem do TEM Notícias, o homem não quis gravar entrevista, mas contou que só bateu na cachorra porque ela o teria atacado quando ele foi amarrá-la para não fugir mais para o galinheiro.

Socorrista da ONG “Late Mia”, Márcia Oshiro afirma que o homem chegou a dizer que enterraria a cadela viva e até uma cova ele chegou a fazer. “Ele amarrou a Suzy em poste e bateu várias vezes com um pedaço de pau e depois ela esfaqueou a cachorra. Ele falou para nós, perante os policiais, que ele iria enterrar a cachorra viva.” A cova realmente foi aberta pelo dono da cachorra, mas ele negou que a enterraria viva.

Maus-tratos

Um boletim de ocorrência de ocorrência de maus-tratos foi registrado e a Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso. O homem vai responder pelo crime e se condenado pode pegar detenção de 3 meses a 1 ano de prisão.

Desde setembro deste ano, quando passou a funcionar, a ONG “Late Mia” já atendeu cerca de 70 casos de maus-tratos. Segundo Márcia, nesses casos os animais são retirados dos donos e levados para um lar provisório até ter condições de serem adotados. E nos casos mais graves, como o de Suzy a ONG entra com processo na Justiça contra os responsáveis pelas agressões.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.