Cadela agredida no Núcleo Bandeirante é resgatada por protetoras independentes

Cadela agredida no Núcleo Bandeirante é resgatada por protetoras independentes

Por Myrcia Hessen

DF nucleobandeirante 5qh0l0oeda file

A cadela agredida pelo funcionário de um depósito de materiais de construção foi resgatada neste final de semana por protetoras independentes de animais. Carolina Mourão e Roberta Vasconcellos se dividiram para ajudar a filhote e outros dois cães que estavam abandonados no local com sinal de maus-tratos.

Segundo relatos de Carolina Mourão, o dono do depósito, que prefere não ser identificado, entregou a cachorrinha para uma desconhecida assim que a reportagem do Balanço Geral mostrou o vídeo de maus-tratos na TV.

— Lá tinha um labrador preto, que ficou com a Roberta Vasconcellos. Eu passei o dia inteiro procurando os outros dois. Quando cheguei lá [no depósito] não tinha ninguém e o dono já tinha dado [os outros dois cachorros] para alguém. Fui perguntando na rua até encontra-los lá em Águas Claras.

Agora, a filhote e sua mãe – que receberam o nome de Pérola e Docinho – estão em um lar temporário, a espera de uma família que possa receber as duas juntas, pois, segundo Carolina, elas não conseguem ficar longe uma da outra.

— A que apanhou no vídeo chora e late o tempo todo. Se tirar [a filhote] de perto da mãe um metro, ela grita. Não pode tirar. Muita gente se prontificou para ficar com elas, mas não com as duas de uma vez.

Quando foram resgatados, os três cachorros do depósito estavam repletos de pulga e carrapato. Além disso, os animais apresentavam anemia profunda. Contudo, eles já foram ao veterinário, onde receberam todos os cuidados necessários.

— A mãe está com um problema no olho direito por conta das surras de mangueira que tomou. As duas têm trauma de mangueira, qualquer movimento brusco e elas se encolhem e choram.

A ONG Proanima informou ao R7 que formalizou a denúncia contra o agressor junto à delegacia e que ele será processado. Caso alguém tenha interesse em adotar os animais, basta entrar em contato por meio do e-mail [email protected]

Fonte: R7

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.