Cadela atacada a machadadas recebe alta de clínica e não terá sequelas, diz tutora

Cadela atacada a machadadas recebe alta de clínica e não terá sequelas, diz tutora
Shiru, cachorra que sobreviveu aos ferimentos, no sítio onde morava em Piedade (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

A cadela que sobreviveu a um ataque com machadadas e foi encontrada em uma estrada na zona rural de Piedade (SP) junto com outros cinco cães recebeu alta nesta terça-feira (17) e não ficará com sequelas, segundo a dona.

“Ela já está em casa e está super bem. Come e faz as necessidades normalmente. Fica deitada do lado do sofá e foi muito bem recebida pelos meus outros cães. A médica nos disse que ela não deve ter nenhuma sequela”, explica a apicultora Kazuyu Takamune Mihara, dona dos cães.

O caso ocorreu no dia 10 de março, no bairro Barreiro. Seis cachorros foram encontrados na beira de uma rua com ferimentos graves. Quatro já estavam mortos, segundo a Vigilância Sanitária. Shiru e Pretinha foram socorridas. Porém, Pretinha morreu após o resgate.

Cachorros mortos a machadadas foram achados em Piedade. — Foto: Arquivo pessoal

Shiru teve ferimentos na cabeça e no pescoço, segundo Kazuyu. Por conta do impacto, o crânio dela ficou deformado, mas, de acordo com os veterinários, nada no cérebro foi comprometido.

“Ela está toda cheia de pontos e com a cabeça muito inchada ainda. Torço para que ela se recupere rápido. Estou aliviada por terem conseguido salvá-la. De todos, pelo menos uma”, diz.

Tatá, Kuro, Pingo e King não resistiram e morreram no local. Quem os encontrou foi uma moradora que recebeu uma denúncia. Soraya Fonseca disse ter ficado em choque quando viu a cena.

Cães na chácara onde moravam, em Piedade (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

Ao G1, Kazuyu contou que os cães estavam com ela havia anos em um sítio na zona rural. A convivência era tranquila e cheia de amor. Segundo ela, apesar de defenderem o território, nenhum deles era agressivo. 

“É uma maldade sem tamanho. Nunca imaginei que alguém poderia fazer isso com meus cachorros. Eles eram muito companheiros, sempre me acompanhavam quando eu saía do sítio para resolver alguma coisa”, lamenta.

Desaparecimento

A apicultora explicou que os cães vivem em um sítio, onde ela mora com o filho, e que tinham o costume de dar voltas ao redor da propriedade durante o dia.

“Eles saíam rapidinho, mas sempre voltavam. Dormiam em casa, com a gente. Eram muito carinhosos e gostavam de brincar juntos”, conta.

Cachorros na chácara onde moravam, em Piedade (SP) — Foto: Arquivo Pessoal

No entanto, no dia 9 de março, os cães não voltaram. Preocupada, Kazuyu pensou em procurá-los, mas decidiu esperar mais um tempo. 

“Quando foi no dia seguinte, vi que eles não tinham aparecido e fiquei realmente preocupada. Foi aí que liguei a TV e vi a imagem horrível do vídeo. Na hora, sabia que eram os meus cães”, relembra. 

Kazuyu foi até a delegacia, onde pôde ver os vídeos e as imagens captadas por Soraya com mais calma. “Nós comparamos com fotos que eu tinha dos meus cães e, realmente, eram eles”, diz.

Um boletim de ocorrência de abuso animal foi registrado na delegacia da cidade. A Polícia Civil analisa câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao local na tentativa de encontrar alguma pista.

Por Júlia Martins

Fonte: G1

‘Maldade sem tamanho’, diz tutora de cães mortos a machadadas em estrada do interior de SP

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.