Cadela cega se recupera com hemodiálise e evita eutanásia

Cadela cega se recupera com hemodiálise e evita eutanásia

Tutor do animal chegou a autorizar o procedimento antes do tratamento.

SP botucatu 21.9 hemodialise animais

Uma novidade na Faculdade de Veterinária da Unesp de Botucatu (SP) chega como esperança para animais de pequeno porte com problemas renais. O serviço de hemodiálise, oferecido na região em clínicas particulares e a um alto custo, está sendo aberto à comunidade. Dependendo da situação financeira do tutor, pode ser até de graça.

Apesar de já ser conhecido, o tratamento por meio da hemodiálise em animais só era possível, na maioria dos casos, em clínicas particulares. E cada sessão não sai por menos de R$ 1 mil. O serviço de hemodiálise da Unesp de Botucatu é o primeiro a ser oferecido para a comunidade local no estado de São Paulo. Por enquanto, ele só atende cães e animais de pequeno porte, mas em breve, o objetivo é atender animais de grande porte, como cavalos e vacas.

SP botucatu 21.9 hemodialise animais2“É uma técnica que favorece a qualidade de vida do animal, prolonga a qualidade de vida do animal e melhora a qualidade. Então, favorece aos animais viverem mais com uma boa qualidade de vida e a atendendo tanto a comunidade e região e também desenvolvendo projetos científicos. As pessoas estão gostando muito. No caso da Frida, o tutor estava com intenção de fazer eutanásia no animal e a gente deu a sugestão para ele. Hoje o animal tem quase uma vida normal”, contou a médica veterinária da Unesp, Priscila Tatiana Guimarães.

Antes do início do tratamento é feita uma entrevista com o tutor do animal. A partir de agora, a expectativa é de que mais animais possam ter a vida salva com esse tratamento. A cachorra “Frida” é cega. E para complicar ainda mais, ela tem uma doença renal sem cura. A cadela ficou três semanas sem se alimentar e o dono do animal não tinha mais esperanças que ela pudesse voltar a ser saudável.

“A primeira ideia falei que perdi minha amiga, perdi minha companheira. E como ela estava sofrendo muito pedi para doutora praticar a eutanásia nela. Sei que não é bom, mas eu pedi e ela falou que tudo bem, que era um direito meu, que a cadela não tem mais solução. Só que nós podemos tentar dar uma melhor qualidade de vida para ela, como é feito com doente terminal. E ela sugeriu e foi feito a hemodiálise. Dai começamos, eu ainda fiquei resistente porque não queria que ela sofresse”, disse o dono de Frida, o técnico em informático Orivaldo Giraldeli.

SP botucatu 21.9 hemodialise animais1Foram seis sessões de hemodiálise até agora e a cadela já apresentou uma melhora significativa, segundo o tutor. “Ela entrou carregada em uma maca e, hoje, sai caminhando, andando, abanando o rabinho, da maneira que ela se comporta em casa naturalmente. A única coisa que relata que ela tem o problema e o cateter no pescoço, mas se não ela ficava normal”, afirmou Orivaldo.

Assim como os humanos, os animais também têm doenças e problemas renais que dificultam a ação dos rins. Sem as sessões de hemodiálise, como medida paliativa, o animal teria que ficar recebendo soro para amenizar o sofrimento. “É semelhante ao que é feito em humano. E pode ser usada para lesão renal aguda, intoxicação e envenenamento, remoção de fármacos e líquido. Atualmente estamos desenvolvendo esse projeto com doente renal crônico. E essa técnica pode ser usada tanto em pequenos como em grandes animais”, explicou a médica veterinária.

Em menos de dois meses, 30 animais como a Frida passaram por sessões de hemodiálise na faculdade. Orivaldo gasta cerca de R$ 120 por sessão. “Nós temos a Frida como era antes, comendo, brincando. E uma coisa que ela não fazia era comer e agora ela está normal. É gratificante e muito bom”, enfatizou o técnico em informática.

SP botucatu 21.9 hemodialise animais3

Fonte: G1 (editada)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.