Cadela com câncer que seria morta por tutor passa por quimioterapia em Macapá, AP

Cadela com câncer que seria morta por tutor passa por quimioterapia em Macapá, AP

‘Coly’ foi resgatada pela ONG Força Animal, que cuidou do tratamento. Animal passará por seis sessões de quimioterapia para curar a doença.

Por Cassio Albuquerque

AP coly img 9960

A pitbull “Coly”, de 2 anos, passa por sessões de quimioterapia para curar um câncer adquirido há cerca de dois meses. A cadela vivia em uma casa no Centro de Macapá e seria sacrificada pelo então dono, que dizia não ter condições financeiras para pagar o tratamento da doença. O animal foi resgatado pela ONG Força Animal, entidade que cuida de cães e gatos abandonados e doentes na capital, que se responsabilizou em pagar as seis sessões de quimioterapia, que custaram R$ 900.

A integrante da ONG Tatiele Medeiros disse que o caso de “Coly” foi descoberto após uma denúncia que a entidade recebeu de vizinhos que moram próximos a casa onde a cadela vivia. “Quando nos ligaram disseram que ela [Coly] tinha sido atropelada. Quando chegamos ao local percebemos que ela apresentava sinais de maus-tratos e possuía uma espécie de tumor na área genital, que sangrava muito”, contou.

AP coly img-20140611-wa0014Após a visita, Tatiele disse que o dono de “Coly”, que teve a identidade preservada pela ONG, enterraria a cadela viva ou a sacrificaria, pois os familiares não queriam o animal andando pela casa, por conta dos sangramentos. “Ele me disse que queria continuar criando ela, mas não tinha dinheiro para cuidar do problema e que estava se sentindo pressionado pelos parentes, que queriam que ele a abandonasse na rua”, disse.

No mesmo dia em que foi apurada a denúncia, a cadela foi encaminhada a uma clínica veterinária. O diagnóstico de câncer foi dado após uma consulta preliminar. “Ela contraiu uma infecção que se enquadra no mesmo nível do papiloma vírus, durante o cruzamento com outros cães, o que causou o aparecimento de um tumor venéreo na área reprodutora. Se não fosse tratada a tempo, a doença causaria várias complicações no organismo até o animal chegar a óbito”, explicou o veterinário Jorge Brito.

AP coly img 9962

Para levantar fundos para o tratamento de “Coly”, a ONG realizou várias ações no Facebook, através de um grupo que promove adoções de animais. O dinheiro para o tratamento foi obtido através de bazares, bingos e rifas.
Atualmente, a cadela passa pela terceira sessão de quimioterapia e deverá passar por outras três para receber alta. Apesar da progressão, faltava um último desafio a ser vencido por “Coly”: ter um novo lar.

AP coly img 9951A escolha do novo dono foi feita pelos próprios integrantes da ONG. Segundo Tatiele, cinco pessoas se candidataram para a adoção. “Ela é um animal grande, e precisa de um local que tenha espaço e uma pessoa com tempo para cuidar dela e dar amor, que é o principal”, disse a integrante da entidade. No dia 10 de junho, “Coly” encontrou um novo dono e foi transferida da antiga casa.

Tatiele se comprometeu a acompanhar o restante do tratamento veterinário, apesar de “Coly” ter conseguido uma nova casa. “Acompanhei toda a trajetória dela e seria injusto eu abandoná-la agora. Não me arrependo do que fiz, pois sei que o antigo tutor a amava, mas ele sabe que tudo que foi feito ajudou a salvar a vida dela”, concluiu

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.