Cadela é ferida por roçadeira e tutor culpa servidor de prefeitura no AC

Cadela é ferida por roçadeira e tutor culpa servidor de prefeitura no AC
Cadela foi ferida por funcionário da prefeitura (Foto: Adelcimar Carvalho/G1)

A cadela de estimação de Jorge Batista Rodrigues, de 40 anos, ficou ferida na boca por uma roçadeira durante uma ação de limpeza pública da Prefeitura de Cruzeiro do Sul, interior do Acre. O caso ocorreu nesta quarta-feira (18) em uma casa na Rua Fran Pacheco. A Prefeitura diz que vai se responsabilizar pelo tratamento do animal.

“Eu estava no trabalho e minha esposa me avisou que o rapaz tinha cortado minha cachorra e que, quando ela foi reclamar, o homem disse que da próxima vez ia matar meu animal. A cachorra saiu debaixo da casa e ele [funcionário da prefeitura] meteu a roçadeira na nela por maldade”, reclama.

Rodrigues diz que chegou a procurar a Secretaria de Obras, mas só foi atendido depois que ele denunciou o caso. “Depois que procurei a imprensa, um carro veio à minha casa e levou a cachorra ao veterinário”, destaca.

O animal deve passar por uma cirurgia para reconstrução da boca, porém, o quadro é considerado delicado.

“O médico disse que vai fazer uma cirurgia, mas que não pode dar garantia que ela fique boa. O que me revolta que é ele cortou a cachorra quase embaixo da minha casa. Se ela estivesse na rua e tivesse agredido o rapaz, eu até entendia. Mas, ele cortou praticamente dentro da minha casa. Isso foi uma maldade”, enfatiza.

O coordenador de Limpeza Pública de Cruzeiro do Sul, Maury Barbosa, disse que o funcionário apresenta outra versão para a história. “Nosso ‘roçador’ disse que estava roçando no pé de uma cerca e o animal foi para cima dele e acabou se cortando na lâmina da roçadeira. Já levamos o animal ao veterinário e vamos nos responsabilizar pelo tratamento”, argumenta.

Já o médico veterinário Jorge Henrique Andrade diz que o animal não corre risco de vida. “Aparentemente o corte foi superficial. Será feita uma sutura para emendar a parte cortada. Acho que não ficará com sequelas mais graves, mas ainda vou sedar o animal para poder fazer uma melhor avaliação”, finaliza.

Por Adelcimar Carvalho

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.