Cadela é resgatada com ferimentos graves nas patas dianteiras no RS

Cadela é resgatada com ferimentos graves nas patas dianteiras no RS

Animal corre o risco de perder 1 das patas devido a rompimento de tendão. Auxílio veio de protetora da cidade vizinha após pedido de moradores.

RS entreijuis cadelinha1a

Uma cadela de aproximadamente quatro anos foi encontrada com partes das duas patas dianteiras em carne viva na beira de um rio no munícipio de Entre-Ijuís, na Região das Missões do Rio Grande do Sul. O animal foi resgatado pela Associação de Proteção aos Animais de Santo Ângelo (Aspa).

RS entreijuis 1779077 867323286651995 3293113871649828757 n 1Batizada de Victória, o cão recebeu auxílio em uma clínica e não corre risco de morrer. A veterinária que prestou o socorro, Alessandra Nasário, acredita que os ferimentos foram feitos propositalmente. Segundo ela, a cadela ainda pode perder uma das patas devido ao rompimento de um dos tendões.

“Está medicada e tomando antibiótico. Nós vamos lutar por ela, recorrer e tentar de tudo. É visível que esse ato foi de pura crueldade, não tem como ter sido um acidente”, afirmou a protetora ao G1.

A presidente da Aspa, Nadir Vier, diz que a entidade não costuma resgatar animais, já que desde 2013 não tem canil para abrigar os cães. Entretanto, a gravidade e crueldade do caso chamaram a atenção e fizeram com que a associação fosse até o município vizinho para socorrer a cadela. “Nos ligaram e mandaram fotos pedindo ajuda. A situação era cruel demais e precisávamos fazer alguma coisa”, relatou Nadir.

Segundo a presidente da associação, um boletim de ocorrência foi registrado, mas a entidade não tem esperança de que o responsável pelos ferimentos seja encontrado. “Não há como ir além, mas vamos recorrer para que casos assim não aconteçam mais. O mais importante é que esse tipo de situação não se repita. Agora, todo auxilio é importante, contamos com pessoas que queiram colaborar com o tratamento da cachorra”, completa.

Quando receber alta, Victória terá um lar para morar. A família que a encontrou decidiu adota-lá, mas não tem condições de arcar com o pagamento da clínica veterinária. Quem estiver interessado em oferecer ajuda pode entrar em contato por meio da página da Aspa em uma rede social.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.