Cadela é resgatada com uma coleira de ferro e com pescoço ferido, em Morrinhos, GO

Cadela é resgatada com uma coleira de ferro e com pescoço ferido, em Morrinhos, GO
Cadela é resgatada com coleira de ferro e quase morta, em Morrinhos, Goiás — Foto: Camila Fernandes/Arquivo Pessoal

A Polícia Militar e um veterinário voluntário resgataram uma cadela de aproximadamente dois anos em situações de maus-tratos, com uma corrente de ferro amarrada ao pescoço, no setor São Pedro, em Morrinhos, no sul do estado. O tutor foi preso no momento do resgate.

O nome do suspeito não foi divulgado. Portanto, o G1 não localizou a defesa para se manifestar sobre a prisão e saber se foi liberado.

Uma denúncia anônima levou os militares ao endereço onde estava o animal, no sábado (19). Quando encontraram a cadela, os policiais acharam que ela estava morta por estar rodeada de moscas e com ferimentos profundos no pescoço.

O boletim de ocorrência narra que o animal “aparentemente estava quase morto e cheio de moscas, mostrando um total descaso do proprietário”.

Segundo a personal trainer Camila Fernandes, de 32 anos, voluntária em causas de proteção a animais, a cadela passou por cirurgia no pescoço e está em uma clínica particular da cidade para tratamento.

“Quando vi a Guerreira fiquei em estado de choque, ela estava muito ferida e debilitada e o corte no pescoço era tão profundo que estava na carne viva, parecia difícil ela sobreviver”, contou a cuidadora. 

Imagens e vídeos gravados por cuidadores voluntários mostram a cadela em plena recuperação. Ela se alimenta normalmente e corresponde com carinho quando é chamada por alguém.

A cachorra deve permanecer na clínica por 90 dias, para ser acompanhada e medicada por um veterinário. Ela recebeu o nome de “Guerreira” pelos militares e cuidadores, que vão procurar um lar definitivo após o tratamento.

Cadela resgatada com corrente de ferro no pescoço está em tratamento, em Morrinhos. — Foto: Camila Fernandes/Arquivo Pessoal

Por Rafael Oliveira

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.