Cadela se recupera depois de levar tiro de chumbinho na testa em Santa Fé do Sul, SP

Cadela se recupera depois de levar tiro de chumbinho na testa em Santa Fé do Sul, SP

Ferimento acabou infeccionando e atingiu todo o crânio do animal. Caso aconteceu em Santa Fé do Sul (SP) e cadela já foi adotada.

sp santafe chumbinho1

Depois de levar um tiro de chumbinho na testa e ter o ferimento agravado por causa de uma infecção, a cadelinha Sakura, que quase morreu vítima de maus-tratos em Santa Fé do Sul (SP), há quase duas semanas se recupera no novo lar do voluntário que a adotou.

A cadelinha foi encontrada no dia 18 em um bairro da cidade, por Paulo André Silva, voluntário da ONG Gavas, que cuida de animais vítimas de maus-tratos. Segundo ele, o animal levou um tiro de chumbinho na testa e o ferimento acabou se agravando. “Uma voluntária viu a cachorra com ferimento pequeno na testa dias antes de resgatá-la, mas a cadela estava com medo e fugiu. Ela ficou sabendo por moradores que ela teria sido atingida por um tiro de chumbinho. Dias depois, voltou ao bairro e encontrou a cadela, com o ferimento bem mais grave do que estava”, afirma Paulo, que ajudou no caso.

sp santafe chumbinho2

A cadela foi resgatada e passou três dias internada em uma clínica veterinária de Fernandópolis, onde recebeu o tratamento necessário. A veterinária Andréia Bittencourt da Silva disse que uma mosca pode ter pousado na ferida e provocado uma infecção que agravou o caso. “Era um ferimento muito grande e causou uma abertura entre os olhos da cadela. Por sorte, não afetou a visão dela. Qualquer ferimento, por menor que seja, se não cuidado pode ocasionar uma infecção grave nestes casos”, afirma.

Logo depois que foi liberada da clínica, a cadela foi adotada pelo professor Márcio Arcas, que agora está cuidando dos ferimentos da cachorrinha. Ele disse que ficou sabendo do caso pelas redes sociais e quando viu as fotos da situação da Sakura, quis adotá-la na hora. “Nos primeiros dias ela veio bem debilitada e melhorou muito. Ela já está aprontando todas, é bem arteira. No machucado ela não gosta que encostem, mas estamos cuidando bem e já está cicatrizando”, afirma Arcas.

A veterinária acredita que em 30 dias todo o ferimento esteja fechado e que a cadelinha não terá nenhuma sequela. A fêmea tem um ano e meio e quando estiver totalmente recuperada, Márcio a levará para o sítio da família. “Não imagino como alguém consegue fazer isso, dar tiro de chumbinho em um animal. Como pegou no meio da testa, acho que foi por maldade mesmo, mas agora ela está bem e será bem cuidada por mim”, finaliza Arcas.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.